Alteração radical da planta dá ar futurista a apartamento em Diadema

João Abel* - O Estado de S. Paulo

Arquiteto apostou em iluminação néon e bases brutalistas para adaptar imóvel ao desejo dos moradores

Vista do living, onde porta de vidro garante ampla iluminação natural e fio de néon foi instalado pontualmente

Vista do living, onde porta de vidro garante ampla iluminação natural e fio de néon foi instalado pontualmente Foto: Marco Antonio

Adaptar-se a um novo apartamento nem sempre é algo que ocorre logo de cara. Ainda mais hoje, quando a distribuição em planta proposta pelas construtoras pouco atende ao desejo de integração dos moradores. Na maioria das vezes é preciso aparar muitas arestas para se atingir um melhor equilíbrio, como neste apartamento de 70 m², em Diadema, na Grande São Paulo, lar de um casal de advogados. 

“Tivemos de redesenhar quase todo o layout do imóvel para que ele se tornasse realmente útil ao cotidiano dos meus clientes”, explica Pedro Bazani, arquiteto que assinou a reforma. O primeiro passo foi abrir a cozinha e transformá-la em um ambiente mais flexível, capaz de comportar equipamentos, bancada e armários, mas, igualmente, se integrar aos espaços ao redor.

“Ter uma mesa com oito a dez lugares, para receber bem os amigos, era um pedido dos proprietários. Então, partindo desta condição, deixamos um vão aberto, conectando living, jantar e cozinha em um único bloco, que se comunica diretamente com a sacada.” 

Sem dúvida que o uso de uma base neutra de cores facilitou a integração e deixou o casal mais livre para escolher como distribuir os móveis. “Nossa ideia era ter uma paleta sóbria e permitir que eles se envolvessem na decoração do apartamento”, comenta Bazani. Segundo ele, isso não só reduziu os custos com materiais, mas fez crescer a importância do concreto aparente nos pisos e nas paredes, o que trouxe um dado brutalista a todo projeto.

Até mesmo a parede de tijolos da sala ganhou tonalidade escura para seguir a atmosfera implantada no restante do imóvel, assim como o equipamento de ar-condicionado, o móvel de TV, e as prateleiras pendentes suspensas do teto por ligas de metal para reduzir as barreiras visuais no cômodo principal.

A reforma, que durou cerca de quatro meses, também alterou a configuração da parte íntima do apartamento. Os três dormitórios da planta original se transformaram na suíte do casal, que traz ainda home office, um painel vazado com TV giratória, além de uma antessala e um closet com banheiro.

Apesar de deixar boa parte da customização do imóvel por conta dos clientes, Bazani também fez questão de mostrar sua marca no projeto. “Eu gosto muito do néon, dessa mistura do vintage com uma atmosfera mais futurista”, explica o arquiteto, que instalou de forma pontual um fio luminoso vermelho na sala de estar, além de caveiras iluminadas no lavabo. Desta vez a pedido da própria moradora. 

“Ela gosta muito da figura e queria inseri-la na decoração”, conta o arquiteto, que pondera que o artifício luminoso é eficiente, mas não deve ser banalizado. “A escolha do néon azul e vermelho foi uma inspiração na paleta de cores de Blade Runner (filme norte-americano de 1982). “Apesar de estarem um pouco relutantes no início, agora sim eles parecem se sentir verdadeiramente à vontade em casa”, finaliza.

*Estagiário sob supervisão do editor de suplementos Daniel Fernandes