Reforma transforma apartamento na Praça Roosevelt

Natália Mazzoni - O Estado de S. Paulo

Com ambientes integrados, imóvel de 57 m² no centro de São Paulo reflete estilo do jovem morador

A cozinha, antes um corredor, foi integrada à sala com a derrubada de uma parede. A tubulação aparente guarda a fiação elétrica

A cozinha, antes um corredor, foi integrada à sala com a derrubada de uma parede. A tubulação aparente guarda a fiação elétrica Foto: Maíra Acayaba/Divulgação

Este apartamento de 57 m² na região central de São Paulo em nada se parece com o original, habitado pelo atual proprietário há cinco anos. Mesmo assim, a obra que o transformou no que é hoje não foi grande – o morador ficou apenas dois meses longe de casa e, na volta, encontrou o lugar que sonhava desde que comprara o imóvel. “Foi uma obra baseada em duas grandes intervenções: diminuir o quarto em dois terços e abrir a cozinha para a sala, invertendo os pontos hidráulicos e elétricos de uma parede para a outra”, diz Júlio Beraldo, do Iná Arquitetura, escritório responsável pelo projeto.

Em sua planta original, o apartamento contava com um quarto enorme, maior do que a área social, algo que nunca funcionou para o proprietário. A área que o quarto perdeu na reforma deu espaço para um pequeno escritório. Na parte social, a cozinha e a sala de estar funcionam a partir de um móvel desenhado sob medida, que serve aos dois ambientes. “A marcenaria feita com compensado naval e tampo de concreto, além de criar unidade visual, foi uma forma de aproveitar melhor o espaço disponível”, diz Marcos Mendes, outro arquiteto que assina o projeto.

Os espaços entre jantar, estar e cozinha, apesar de integrados, ganharam delimitação por causa do piso – de ladrilho hidráulico na área molhada e de tacos de peroba rosa originais, restaurados durante a obra. “As vigas estruturais que ficam logo em frente ao balcão de trabalho também funcionam bem, delimitam, mas não isolam”, completa Beraldo.

Siga o Casa no Instagram e use a hashtag #casaestadao

Reforma concluída, a decoração não precisou de muito, já que as vigas descascadas, o piso de ladrilho e a marcenaria azul ajudaram a trazer o ar descontraído que o morador buscava para o apartamento. “A tubulação aparente para a iluminação contribuiu bastante para a transformação do lugar, é mais um elemento que deixou a atmosfera do imóvel completamente diferente da que existia antes”, comenta o arquiteto.

O mobiliário conta com poucas peças, para não comprometer a circulação, como a mesa com pés de ferro e as cadeiras de aço. “Agora é um apartamento que se encaixa no estilo de vida do morador e faz jus à sua localização, a Praça Roosevelt. Antes estava ultrapassado demais para a nova ocupação da região.”

Curta a página do Casa no Facebook