Norte-americanos pagam R$ 80 mil para aplicar botox em uma área pouco convencional

Redação - O Estado de S.Paulo

Cresce o mercado de cirurgias plásticas para rejuvenescimento anal nos Estados Unidos

Cresce o número de cirurgias para rejuvenescimento anal nos EUA

Cresce o número de cirurgias para rejuvenescimento anal nos EUA Foto: Pixabay / @derneuemann

Há partes do corpo humano que podem não ser, digamos, muito atraentes. Porém, há médicos dispostos a torná-las mais bonitas e há muita gente disposta a pagar caro por isso. Estamos falando de rejuvenescimento anal, um mercado que cresce cada vez mais nos Estados Unidos.

O cirurgião Evan Goldstein foi um dos pioneiros em fornecer este tipo de serviço. Ele contou ao jornal New York Post que percebeu que “havia muitos médicos realizando cirurgia anal para tratamento de hemorroidas e câncer, mas nenhum via o lado cosmético ou sexualmente funcional do ânus”.

Foi assim que surgiu a ideia de abrir uma clínica em Manhattan, em 2010. Entre os serviços estavam tratamento de hemorroidas, protuberâncias e fissuras, mas também procedimentos plásticos como aplicação de botox, dilatação e compressão do ânus. Os preços vão de U$ 5 mil (R$ 16 mil) a U$ 25 mil (R$ 80 mil).

O norte-americano Joseph, 45, contou que o procedimento rejuvenesceu sua vida sexual: “Eu fiz sexo com o meu marido e foi como se eu fosse 20 anos mais jovem”. No entanto, ter o ânus rejuvenescido tem um processo de recuperação dolorido. Os pacientes enfrentam duas semanas de desconforto ao ir ao banheiro e três meses sem poder fazer sexo anal.

Apesar de homens gays constituírem a maior parte dos clientes nesse mercado, Evan contou que também é procurado por mulheres: “Eu trato muitas mulheres agora que sexo anal está se tornando mais aceito”.

E não é apenas para fins sexuais que as cirurgias são procuradas. Tom, um homem de 48 anos, ficou com fissuras e cicatrizes após um procedimento cirúrgico. Além disso, teve a abertura do ânus estreitada.

“Foi terrível, como se o Freddie Krueger tivesse feito a cirurgia”, comparou Tom. “Usar o banheiro no dia a dia era difícil e sexo estava fora de questão”. Foram sete anos de sofrimento, até que ele gastou U$ 70 mil (R$ 225 mil) em cirurgias que o livraram de qualquer incômodo.

Como um bônus, Tom disse que a aparência de seu ânus gerou elogios de seu primeiro parceiro pós-cirurgia. “Era tudo o que eu queria: que aquela coisinha ficasse bonita”.