Mãe quer mostrar ao filho quantas pessoas seu pai ajudou com doação de órgãos

- O Estado de S.Paulo

Calen Ross teve diversos órgãos transplantados após suicídio; Andy Sandness recebeu seu rosto

No dia 24 de janeiro de 2017, Andy Sandness se olha no espelho em consulta médica. Ele passou dez anos com o rosto desfigurado, até receber um transplante em 2016

No dia 24 de janeiro de 2017, Andy Sandness se olha no espelho em consulta médica. Ele passou dez anos com o rosto desfigurado, até receber um transplante em 2016 Foto: AP Photo/Charlie Neibergall

Você se lembra de Andy Sandness, o americano que teve uma tentativa frustrada de suicídio, ficou com o rosto desfigurado, recebeu um transplante de face e voltou a se olhar no espelho? A história dele foi contada no E+ em fevereiro deste ano, após uma sucessão de acertos médicos e uma dose de sorte que permitiram uma nova vida a Sandness. Agora, a viúva do doador, um americano que cometeu suicídio aos 21 anos em decorrência de uma depressão grave, quer que seu filho saiba o quanto seu pai ajudou outras pessoas, disse ao Daily Mail.

"Eu fiquei em contato com a pessoa que recebeu o fígado e sou amiga no Facebook da que recebeu o coração. Tem um homem que recebeu um rim e o pâncreas, ainda não tive notícias dele. Outra mulher ficou com um rim, acho, e não tivemos contato com quem recebeu o pulmão. Mas eu enviei cartas para todos eles mais ou menos ao mesmo tempo. Todos receberam fotos", relata. O bebê, Leonard, ainda tem oito meses de idade. 

Lilly Ross teve que tomar a decisão de permitir a doação dos órgãos do marido, Calen, enquanto ainda estava grávida de oito meses. Permitir o transplante de rosto, em especial, foi uma escolha difícil. "Eu fiquei cética no início", relatou Lilly. "Eu não queria andar por aí e, de repente, ver o Calen." Depois de ser informada pelos médicos de que os olhos e testa de Sandness não seriam alterados e, por isso, ele não ficaria igual a Ross, Lilly aceitou.