Alergias e intolerâncias alimentares confundem portadores e provocam déficit nutricional

Lucca Rebelato - O Estado de S.Paulo

Resultados imprecisos podem levar a dietas restritivas desnecessárias

Teste de alergia detecta a sensibilidade do indivíduo contra determinados tipos de alimento

Teste de alergia detecta a sensibilidade do indivíduo contra determinados tipos de alimento Foto: Norm Copeland/Creative Commons

Presentes em 40% da população, as intolerâncias alimentares são frequentemente confundidas com as alergias alimentares. Os sintomas são, em diversos casos, parecidos, e a falta de confiabilidade nos exames de detecção aumentam as dúvidas dos pacientes em relação a ambas as doenças.

 

Segundo Renata Rodrigues Cocco, alergologista do Hospital Albert Einstein, “as alergias costumam apresentar sintomas que variam desde erupções cutâneas até problemas mais sérios, como distúrbios gastrointestinais (vômitos e diarreias) e anafilaxias (inchaço de órgãos do sistema respiratório, com reações graves, potencialmente fatais, que acometem dois ou mais sistemas)”.

 

Já no caso das intolerâncias alimentares, os sintomas estão geralmente relacionados ao trato gastrointestinal. “É muito mais comum surgirem transtornos na digestão do alimento, que variam de intensidade de acordo com a quantidade consumida”, explica.

 

Outra diferença entre as alergias e as intolerâncias alimentares está no fator causador. “As alergias são reações ligadas a alguma proteína presente no alimento que foi considerada um elemento estranho pelo organismo. Já a intolerância ocorre quando o corpo não possui enzimas para digerir determinado carboidrato, como no caso da lactose, por exemplo”, diz Renata.

 

Uma característica das alergias é que muitas são curadas naturalmente pelo organismo durante a vida, muitas vezes na fase de adolescência. “Por isso é muito mais comum em crianças. É menos habitual, embora não seja raro, encontrarmos adultos com alergias alimentares”, comenta.

 

As intolerâncias podem surgir já durante a fase adulta e, uma vez adquiridas, persistem pelo resto da vida. “Devido ao fato de ser causada pela falta de uma enzima, a única coisa que podemos fazer é criar uma dieta de restrição. Entretanto, comparada à alergia, a atenção que devemos ter não é tão radical, pois os sintomas são menos agressivos”, verifica a alergologista.

 

Tratamento. Tanto para alergias alimentares quanto para intolerâncias, não existem tratamentos comprovados cientificamente que eliminem a doença. “No caso de alergias, a recomendação é a restrição total do alimento em questão da dieta. Já no caso da intolerância, o consumo é permitido em alguns casos, desde que a quantidade ingerida não seja prejudicial para o trato digestivo”, interpreta a médica.

 

No entanto, quando a restrição a um determinado alimento for total, deve haver um acompanhamento de substituição nutricional. “Principalmente no caso de crianças, excluir algo da dieta pode levar a severos casos de anemia, desnutrição ou falhas no desenvolvimento. Por isso, sempre deve haver essa troca de um alimento por outro de equivalência nutricional”, alerta.

 

Diagnóstico de Alergias. Para a detecção de alergias alimentares, Renata Cocco afirma que o diagnóstico é muitas vezes baseado na observação. “O exame consiste em a pessoa ingerir uma determinada quantidade do alimento e, a partir daí, se observa as reações do organismo”, relata.

 

Entretanto, um exame de sangue específico pode indicar a presença da doença, que atinge cerca de 5% da população. “O teste conhecido como RAST consiste na verificação da imunoglobulina E (IgE) no sangue do paciente. Tal procedimento pode indicar a quais alimentos aquele indivíduo possui sensibilização alérgica”, conta a médica. No entanto, “um resultado positivo não significa necessariamente que a pessoa tem alergia àquele determinado alimento, apenas uma propensão”. O teste é encontrado em diversos laboratórios pelo País e possui cobertura da maioria dos planos de saúde.

 

Outro exame trazido recentemente ao Brasil promete ser mais eficaz no diagnóstico de alergias. Trata-se da identificação de frações proteicas a partir da tecnologia microarray (biochips de DNA que selecionam e se integram a partículas específicas predeterminadas), que pode identificar 112 alérgenos ao mesmo tempo.

 

A alergologista considera que o teste deve ser analisado por um especialista já experiente na área. “Por ser um exame que verifica reações cruzadas, é de difícil interpretação. Por exemplo, alguém que possui ao mesmo tempo reação alérgica ao látex e a uma fruta qualquer é alérgico a uma proteína comum a ambos os alimentos”, expõe Renata.

O exame por microarray está em fase de adequações e deve retornar ao mercado no segundo semestre deste ano.

 

Diagnósticos de Intolerâncias. Os exames que detectam intolerâncias alimentares também são, muitas vezes, realizados a partir de observação clínica. No entanto, um exame criado recentemente, chamado de Food Detective, tem atraído pacientes em busca de um diagnóstico preciso sobre os tipos de intolerância alimentar presentes em seus organismos e acaba levando-os a uma confusão ainda maior.

 

Em relação ao teste, Renata Cocco alerta que não existe nenhuma comprovação científica da eficácia do exame. “Ele simplesmente mede o nível de imunoglobulina G (IgG) no sangue. Porém essa substância pode estar relacionada a diversos outros fatores que não sejam a intolerância. Simplesmente não faz o menor sentido”, analisa.

 

Além de ineficaz, o teste é comercializado a preços elevados (de R$ 800 a R$ 3 mil) e não pode ser encontrado em rede pública. “Qualquer exame, principalmente de alergias e intolerâncias, pode apresentar falsos resultados. Porém, nesse caso, os pouquíssimos resultados corretos são obtidos por meio de pura sorte, sem qualquer lógica para tal. Não existe racionalidade”, argumenta.

 

De acordo com a Dra. Ana Paula Moschione Castro, diretora da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), não há embasamento científico para assumir que as intolerâncias alimentares estejam relacionadas à presença de anticorpos do tipo IgG. “As intolerâncias podem ocorrer por diversas razões, inclusive sem envolvimento do sistema imunológico. Portanto, não é possível confiar neste teste, nem sequer fazer inferências baseadas nos seus resultados”, analisa.

 

A diretora também reforça a posição de Renata Cocco e apresenta oposição à realização do teste em nome da entidade. “A ASBAI compartilha desta opinião por estimular profundamente a prática da medicina baseada em evidências vistas em trabalhos científicos ou opiniões de instituições idôneas e renomadas. Este repúdio ao teste para diagnóstico é compartilhado, inclusive, pela Academia Americana de Alergia e Imunologia”, acrescenta Ana Paula.

Tecnologia auxilia portadores. Alguns aplicativos também podem auxiliar quem é alérgico a manter a doença sob controle. No caso das dos alérgicos a remédios, o app “Alergia a Medicamentos”, lançado na última sexta-feira (12), promete auxiliar na identificação de componentes prejudiciais à saúde dos usuários. A partir de uma lista personalizada pelo alérgico, o sistema identifica, dentre uma lista com todas as substâncias regulamentadas pela ANVISA até maio (aproximadamente 27 mil), quais podem ativar uma reação adversa do organismo.

Aplicativo 'Alergia a Medicamentos' está disponível para iOS desde sexta-feira (12)

Aplicativo 'Alergia a Medicamentos' está disponível para iOS desde sexta-feira (12) Foto: Reprodução

De acordo com o desenvolvedor do aplicativo, o Dr. Fábio Morato Castro, alergologista, imunologista e professor da Universidade de São Paulo (USP), para utilizar o aplicativo, o usuário deve, primeiramente, cadastrar os remédios e princípios ativos aos quais é alérgico. “Na hora da compra, o paciente digita o nome do medicamento e o sistema indica se o cadastrado pode ou não consumi-lo, seguindo três categorias: verde (liberado para uso), amarelo (possibilidade de reação cruzada) e vermelho (restrição total do uso)”, afirma.

No caso de reações cruzadas, o aplicativo busca por medicamentos que possuem fórmulas parecidas com aquele indicado como perigoso pelo usuário. “Alguns remédios do mesmo grupo ou de grupos semelhantes podem ou não apresentar reações alérgicas na pessoa. Nesse caso, o sistema apresenta o alerta amarelo”, explica o especialista.

O app também pode ser utilizado por médicos que, no momento de receitar um medicamento, pode verificar se aquela substância pode causar uma reação alérgica em seu paciente. 

Pelo fato de novas substâncias entrarem no mercado frequentemente, o sistema sofrerá atualizações constantes. “Atualizaremos anualmente o nosso banco de dados, pois o número de medicamentos cresce em uma velocidade impressionante”, verifica Castro.

Por enquanto, o aplicativo está disponível apenas para iOS, mas em breve serão lançadas versões para iPad e Android. O custo na App Store é de US$ 2,99.