Outubro começa com uma comemoração muito importante: Dia Internacional do Idoso. Importante porque interessa a todos nós, uns mais cedo outros mais tarde, mas a todos. Para se ter uma ideia do quanto nos atinge, em menos de 35 anos seremos 2 bilhões de pessoas no mundo com mais de 60 anos, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). É um contingente bem grande de pessoas não?

O tema é tão importante neste mês diversos eventos de instituições importantes se voltam para o tema. O Hospital 9 de Julho, do qual faço parte, realiza eventos específicos sobre o tema. Outro exemplo é o Fórum da Longevidade promovido pelo Bradesco Seguros que vai tratar do novo envelhecimento na arquitetura, discutindo temas sociais, acessibilidade, sustentabilidade entre outros.

Participar desses eventos, palestras é fundamental para discutirmos o tema de maneira ampla e em conjunto. Mas, gostaria de refletir sobre a importância do idoso se posicionar na sociedade e, principalmente, na vida. Em um evento recente do qual participei uma das convidadas – com mais de 70 anos – dizia o quanto o idoso delega a própria vida aos familiares, aos cuidadores e à sociedade.

Várias pessoas da plateia deram exemplos, inclusive uma grande empresária, de idosos que sempre foram protagonistas de suas histórias e, ao primeiro sinal de enfraquecimento, se tornaram coadjuvantes da própria existência.

Claro que não é fácil. Muitas vezes a doença, a perda de um ente querido ou até mesmo a falta de uma ocupação podem tornar as pessoas mais acomodadas, sem ânimo e nem disposição. Saiba que, independentemente da sua limitação, você pode sim tomar as rédeas da sua vida. Se não consegue mais andar aqueles 10 km que fazia há anos, ande um pouco menos, mas ande. Se não consegue mais sair de casa sozinho, por preocupação de familiares ou medo, peça ajuda de alguém, mas saia. Saia de dia. Não deixe que as pessoas tomem decisões por você, talvez isso ocorra com você no futuro, mas enquanto tiver poder de decisão, decida.

Sempre falo aqui da importância de alimentar-se de forma saudável, fazer amigos e praticar atividades físicas. São decisões importantes para manter a independência diante dos desafios. Voltar a ter 20 anos não é possível. Mas comportar-se com 100 aos 70 não é bom.

Aceite sim a idade, mas veja a beleza que ela lhe trouxe. Faça as coisas que gosta, peça ajuda, mas não deixe que as pessoas façam tudo por você. Não se acomode. Você ainda pode fazer as atividades da sua maneira. Se precisou mudar de casa, por um local mais seguro, curta esta nova fase. Se precisa de uma ajuda de uma bengala, faça dela sua aliada e não uma inimiga. Como em um filme de Hollywood seja o ator principal e não o coadjuvante. Aposto que ganhará um Oscar de melhor atuação da sua vida. Viva mais e melhor.