Esta é a conclusão de um estudo da University College London (Reino Unido), publicado na última semana pela revista científica Lancet. Trata-se de uma boa notícia, já que, segundo os pesquisadores, se ao longo da vida a pessoa cuidar da saúde do cérebro, estudando, reduzindo doenças crônicas, não fumando e adotando uma vida social ativa as chances de evitar a demência são grandes.

O estudo, liderado pelo professor Gill Livingston (UCL Psychiatry) apontou dois vilões principais para a demência: a perda auditiva e o isolamento social. Preservar a audição na metade da vida pode ajudar as pessoas a experimentar um ambiente cognitivamente rico e criar uma reserva cognitiva, o que pode ser perdido se a audição estiver prejudicada.

Estimativas internacionais apontam que cerca de 47 milhões de pessoas vivem com demência no mundo e que, o número de pessoas afetadas, será praticamente triplicado para 131 milhões até 2050. Preocupante certo?

O trabalho aponta 9 fatores de saúde, em vários estágios da vida e que podem ajudar a evitar a doença.

  • Permanecer na escola (até os 15 anos)
  • Reduzir a pressão arterial, a obesidade e a perda auditiva na metade da vida (dos 45 aos 65 anos)
  • Evitar o tabagismo, a depressão, a inatividade física, o isolamento social e o diabetes na vida adulta (acima de 65 anos).

Para quem acompanha nosso blog há algum tempo sabe que estes fatores não significam uma super novidade. No entanto, saber que manter uma vida social ativa, combater a depressão e não fumar podem contribuir para a saúde do cérebro é algo que merece atenção.

Vamos falar quantas vezes forem necessárias.  Aproveite esta chance de prevenir uma doença tão incapacitante e viva sua vida mais intensamente, seguindo dicas simples de alimentação saudável, exercício físico regular e uma vida social rica e prazerosa. Viva mais e melhor.