Em uma montanha do Himalaia um avião cai e leva os sobreviventes a encontrar um mundo completamente desconhecido chamado Shangri-la. Apesar de misterioso, o local tem uma peculiaridade: lá as pessoas não envelhecem e têm felicidade plena.

A descrição  – embora muito desejada por alguns – é uma ficção extraída do romance de James Hilton, de 1933, e do filme, de 1973, homônimos “Horizonte Perdido”.

A fonte da juventude e felicidade plena realmente são coisas abstratas e que só existem em filmes e livros. No entanto, é possível encontrar a fonte da longevidade. Como assim? Muitos me perguntariam.

Simples: você precisa encontrar a sua. A sua fonte da longevidade pode ser recomeçar uma nova carreira, iniciar uma atividade física, viajar ou simplesmente bater papo com amigos e familiares.

Lembro-me de uma senhora de quase 80 anos que, impedida de sair de casa por conta de uma cegueira causada pelo glaucoma, encontrou nas viagens com a família sua fonte de longevidade. Basta que alguém fale a ela: tal dia pegaremos estrada que, mesmo sabendo que encarará horas sentada, arruma as malas bem rápido e ganha doses e doses de estímulo.

Não estou aqui dizendo que esta tem que ser sua Sangri-la. Mas estou sugerindo que você encontre a sua. Faça a seguinte pergunta a si mesmo: o que mais me estimula? O que mais me deixa feliz e empolgado? A resposta? Dê a você mesmo e viva mais e melhor.