Hoje meu convidado é o Dr. Ricardo Nahas, médico do Esporte e Coordenador do Centro de Medicina do Exercício e do Esporte do Hospital 9 de Julho.

O inverno está chegando e com ele mais uma discussão confrontando os que adoram com aqueles que odeiam. Afinal, como reagimos no inverno para nos aquecermos?

A exposição ao frio causa uma perda excessiva de calor pelo organismo para o ambiente. As roupas pesadas procuram manter esse calor perdido como se fosse uma proteção contra o frio ambiente.

Mas, vamos supor que fomos pegos desprevenidos e o tempo muda e não trouxemos aquele casaco que a mamãe sempre recomenda! Vamos congelar? Não! Ocorrerá uma compensação fisiológica com aumento da produção e diminuição da perda de calor, com o objetivo de manter a temperatura central normal. Sem isso, todos nossos sistemas deixariam gradativamente de funcionar. 

Esse mecanismo natural é deflagrado por sensores na pele que captam a variação de temperatura e produzem contração dos vasos periféricos, redirecionando o sangue “quente” para assegurar as áreas centrais, garantindo a  temperatura.

Mas, imagina que o tempo pretendeu nos castigar ainda mais e derrubou a temperatura para valer. Só esse mecanismo não basta para produzir calor suficiente. Vamos fazer uma fogueira?

Ainda não. Diminuindo a temperatura externa até -300 C, a regulação com produção de calor passará a depender da atividade muscular (calafrio) para manter a temperatura central, presumindo-se que o indivíduo não use vestimenta que o aqueça.

É a fase na história de “está frio para não ficar parado” movendo-se de um lado para o outro, saltitando e vendo seus músculos voluntários com contrações involuntárias, mas produtoras de calor. Momento em que as extremidades que têm poucos músculos devem ficar protegidas, como as orelhas, as mãos, o nariz, entre outros.

Resolvida a desobediência com a recomendação da mamãe, vamos observar que a vovó, que sente mais frio do que a mamãe, pediu para levar um casaco mais pesado pois o congestionamento da volta do trabalho manterá você exposto por mais tempo ao frio.

Bem, não é motivo para pânico ainda. Entram em ação hormônios produtores de calor (ditos termogênicos) que aumentam sua quantidade e liberação, em resposta ao estresse provocado pelo frio, gerando ainda mais calor através da aceleração do metabolismo, que tem como finalidade aumentar o calor, além de energia. São eles: noradrenalina, adrenalina e hormônio da tireóide.

Mas então, por quê Vovó e Mamãe sentem mais frio do que eu, se todos temos esses mecanismos naturalmente?

Com o passar da idade temos a tendência de nos movermos menos, temos menor quantidade de tecido muscular e menor produção hormonal, o que transforma a tarefa de aquecer do corpo mais demorada e menos eficiente.

É nessa hora que o conselho dos mais idosos e mais sábios sempre funciona: pratique exercícios regulares para manter o máximo da produção de tudo, inclusive do calor! E lembre-se: uma taça de um bom vinho também aquece e não faz mal a ninguém. Mas só uma taça, combinado? Viva mais e melhor.