Hoje meu convidado é o Dr. Ricardo Nahas, médico do esporte e coordenador do Centro de Medicina do Exercício e do Esporte do Hospital 9 de Julho.

 Verão, tempo de dias longos, quentes e agradáveis e também de noites mais curtas, abafadas, que deixam o corpo incomodado por ficar na cama. Quer melhores condições para sair de casa e ser mais feliz?

No nosso país, temos o privilégio de iniciar o ano nessas condições muito favoráveis para perder aqueles quilinhos que dezembro sempre traz. E, o que é melhor, ao ar livre, aproveitando tudo que um país tropical tem a oferecer durante essa estação e que sorri ao ver imagens de camadas e mais camadas de neve do rigor do inverno no hemisfério norte.

Então, vamos lá! Antes de começar, verifique se seus exames de saúde estão em dia. Lembre-se também que você teve um ou dois meses atípicos no final do ano, que podem ter impactado a sua saúde e tenham feito  você perder condicionamento físico. Se, nesse período, o seu peso subiu, o consumo de bebida alcoólica aumentou, seus filhos e você em férias mudaram sua rotina diária etc, uma visita ao seu médico e exames complementares não vão te atrapalhar e podem garantir uma retomada saudável aos exercícios. 

Para esse recomeço, mantenha a mesma atividade que praticava. Não caia na tentação dos modismos, pensando que vai “queimar” mais rápido suas calorias. Essas atividades podem ser praticadas depois que você recuperar o melhor de sua forma. Nesse nosso exercício, vamos caminhar/correr, esporte individual mais praticado no mundo todo.

Tudo pronto. Vamos escolher o melhor horário para sair de casa. Evitar as horas mais quentes do dia garantem melhor rendimento e menor risco à sua saúde. Assim, evite a prática entre 10h e 16 horas. Ajuste o horário em 1 hora para menos, durante o horário de verão. O período mais fresco e com menos poluentes no ar é de 5h às 9 horas, ideal para exercícios ao ar livre.

Agora vamos ao vestuário. Modelo de verão, sem dúvida. Pouca roupa e bastante leve. Bermudas, shorts, camisetas também de tecido tipo “dri-fit”, ou seja, sem colar no corpo, permite a transpiração e melhor controle de temperatura corporal. O tênis, habitual, com meia sempre para evitar bolhas produzidas pelo atrito do calçado com a pele.

Para sair de casa, já devidamente paramentado, não se esqueça do protetor solar. A maioria irrita os olhos quando o suor escorre pelo rosto. Uma “munhequeira” ou uma “bandana” ou mesmo uma toalha para o excesso de suor que escorre, podem ser acessórios que vão te ajudar na empreitada.

Falando em suor, vamos lembrar da hidratação. Ingerir água só momentos antes de ir para a rua vale, mas não muito. Você deve se manter hidratado todos os dias e repor a água que perde após o exercício. Como? Pesando. O que você “emagrece” na balança deve ser reposto em água. Exercício ajuda, e muito, a perder peso. Mas essa perda imediata deve ser reposta pois é perda de água basicamente.

A desidratação é uma das principais razões pela qual uma noite de festa (sempre com brindes alcoólicos) impede sua jornada no dia seguinte. Todo seu metabolismo alterado deve ser compensado antes de impor ao corpo o estresse do exercício. E aqui, a água é fundamental.

Nos dias quentes, que exigem maior ingestão de água, pequenos goles devem ser a opção para evitar que grandes volumes demorem a ser absorvidos e fiquem “chacoalhando” no estômago com uma sensação, no mínimo, desagradável.

Agora, vamos abrir a porta. Opa! Demos de cara com um temporal, com raios e muita chuva. Fechemos a porta. Vamos voltar para a rua na próxima coluna. Até lá. Viva mais e melhor.