Todos os dias em diversas situações somos cobrados. Algumas cobranças são positivas e outras nem tanto. Às vezes nem percebemos que estamos sendo cobrados. Pelo lado positivo, vejo muitos dos meus pacientes me contarem que são cobrados por seus familiares a participar ativamente dos eventos. São festas, reuniões ou simples almoços que “exigem” a participação deles, sem direito a dizer não. Isso é muito bom. Mostra que são queridos.

A sociedade também nos cobra. Não devemos jogar papel no chão, respeitar pedestres, nossa vez na fila do cinema, teatro, restaurantes, pagar em dia nossas contas, impostos e ainda cuidar das finanças etc. Somos constantemente cobrados a serem bom cidadãos. Isso também é bom, pois faz que com todos os moradores de uma cidade, por exemplo, vivam em harmonia, sempre respeitando uns aos outros.

Mas há uma cobrança que julgo terrível. Aquela feita por nós mesmos. Não raro ouvir em meu consultório pacientes reclamando que são pais, avós e cônjuges piores que deveriam,  segundo seus próprios julgamentos. Alguns se cobram por não conseguirem manter uma alimentação melhor, fazer mais exercícios físicos, ter uma vida social mais ativa etc.

Claro que devemos sempre melhorar. Isso é muito bom e traz crescimento pessoal. Mas penso que devemos ser menos rudes com nós mesmos, pois este sentimento de cobrança interna traz sofrimento, angústia e, principalmente, nos afasta das pessoas. Do ponto de vista médico devemos tentar o equilíbrio em tudo. Alimentação equilibrada, sem cobrança excessiva, exercícios físicos devem ser realizados regularmente, sem exaustão e, na hora de cobrarmos nós mesmos que tal um pouco mais de compaixão, assim como fazemos com os outros ?  Afinal de contas temos que conviver conosco certo? Tente se cobrar menos e viva mais e melhor.