Que o designer de sapatos francês Christian Louboutin tem no solado vermelho sua marca registrada, não é novidade. Mas não é incomum que outras grifes que usem o recurso para dar um toque de sensualidade às suas peças. Eis que o francês patenteou a cor das solas como sua criação e agora parte para a briga.

O primeiro a ter cometido “o passo em falso” foi Yves Saint Laurent. Os advogados de Louboutin pediram à Maison YSL a quantia de R$1,5 milhão de indenização.

Agora é a vez da Carmen Steffens, uma das grifes brasileiras que mais cresce no País e no exterior, que abrirá neste mês flagship na Oscar Freire, em São Paulo, e que inaugurou recentemente corner na Galerie Lafayette, ao lado de grifes como Chloé e Dior.

A marca usou um tom de vermelho para colorir dois dos 250 modelos de sua última coleção. “A Carmen Steffens é uma grife que tem como característica usar cores variadas em seus sapatos, já fizemos solados de vários tons, inclusive vermelho em modelos que datam de 1996 (a patente de Louboutin foi feita em 2002)”, explica Gabriel Spaniol, diretor internacional da marca. O sapateiro não gostou e entrou com processo contra a grife.

Parece que o sucesso da Carmen na Europa está incomodando um dos nomes mais célebres da indústria (e o grupo da LVMH, que detém os direitos na grife), com suas peças de qualidade a preços mais acessíveis, em tempos de crise.

Imaginem se Valentino com seu mítico tom de vermelho, Fendi e seu famoso verde musgo, e até mesmo o artista plástico Yves Klein com seu azul vibrante resolverem tomar as mesmas atitudes?