lose-weight-1968908_640

 

Qual o papel do intestino para a saúde e emagrecimento? A médica ginecologista e obstetra, pós-graduada em Nutrologia e membro do The Institute for Functional Medicine (IFM), Bruna Pitaluga Peret Ottani, é a entrevistada da semana no blog e fala sobre o assunto a seguir.

Qual o papel do intestino para a saúde e emagrecimento?

Bruna – Sabe-se que o intestino é um órgão complexo que absorve nutrientes, filtra toxinas, possui um sistema imunológico específico capaz de reconhecer alimentos e criar anticorpos de forma extremamente eficaz, produzir hormônios e neurotransmissores de forma individualizada que regulam o funcionamento de outros órgãos, como o cérebro, por exemplo. Além da função das células intestinais, o intestino hospeda um conjunto de microorganismos complexos que interagem entre si e como corpo humano, chamado microbiota intestinal. Essa microbiota é variada e cada microorganismo apresenta um papel diferente na defesa do corpo humano e metabolização de nutrientes. Para muitos cientistas, o papel do intestino na produção de neurotransmissores é tão importante que recebe o nome de segundo cérebro. Para ter um intestino saudável uma pessoa deve se alimentar de maneira adequada, reduzir o estresse e usar antibióticos somente quando necessário.

 

Qual a importância da alimentação para o bom funcionamento do intestino?

Bruna – A alimentação é determinante para o bom funcionamento do intestino. Comer vegetais diariamente fornece fibras e nutrientes. As fibras são importantes porque elas funcionam como um filtro para as toxinas ingeridas em alimentos industrializados, ajudando a reduzir a absorção dessas substâncias. Além disso, as fibras ingeridas nos vegetais absorvem gorduras presentes nos alimentos colaborando para a manutenção da consistência das fezes e ajudando a manter um ritmo intestinal adequado, bem como reduzir os níveis de glicose no sangue auxiliando no tratamento de diabetes e pré-diabetes. A saciedade também é relacionada ao tipo de alimento que comemos, já que quanto mais vegetais uma pessoa come mais saciada ela se sente. Ao comer uma alimentação rica em vegetais, também alimentamos os bons microorganismos que temos no nosso intestino, auxiliando na manutenção dessa flora fundamental para a nossa saúde. O ritmo intestinal é considerado adequado quando um indivíduo evacua até duas vezes ao dia, todos os dias.

 

Quais alimentos são considerados amigos do intestino?

Bruna – Os vegetais, legumes e frutas, oleoginosas, abacate, azeite de oliva. Quanto mais variada a alimentação, melhor. Alimentos ricos em magnésio ajudam o intestino a funcionar de forma regular, principalmente na forma de citrato de magnésio, além de vitamina C. Probióticos, que são os microorganismos que habitam o intestino, são comercializados em várias formas e combinações e ajudam a refazer a microbiota intestinal. Beber água é muito importante pois mantém as fezes umedecidas e evita o ressecamento do bolo fecal. Atividade física é fundamental para manter o intestino funcionando de forma regular.

 

E quais os vilões?

Bruna – Os alimentos industrializados e processados, principalmente com grande quantidade de açúcar, porque não possuem as fibras e nutrientes necessários, além de serem tóxicos para a microbiota intestinal.

 

O mau funcionamento do intestino, além de atrapalhar o processo de emagrecimento, pode comprometer outros órgãos do corpo? Quais os riscos?

Bruna – Quando o intestino não funciona de forma regular, as toxinas não são eliminadas de maneira adequada. A pessoa pode se sentir inchada, com mal humor, perda do apetite etc. A pele pode sofrer com aumento da oleosidade e aparecimento de acne e espinhas. O humor fica comprometido pela redução da produção de serotonina. Algumas pessoas relatam inclusive palpitações quando ficam alguns dias sem evacuar. Não só a regularidade é importante. As fezes devem ter consistência adequada. Por exemplo, uma pessoa pode evacuar diariamente mas se as fezes tem consistência pastosa pode ser um indicativo de mal funcionamento do intestino. A constipação crônica está associada a aumento do câncer de intestino e até doença de Parkinson, por exemplo. Estima-se que quase 20% da população mundial sofre de constipação. Doenças inflamatórias, como doença de Crohn, podem estar relacionadas ao consumo de alimentos industrializados não reconhecidos pelo sistema imunológico do intestino, levando a uma resposta exagerada desse sistema e aumento do ritmo intestinal (várias evacuações ao dia).

 

Até semana que vem!