tape-403586_640

Você já deve ter ouvido falar em jejum intermitente. Mas, afinal, como ele funciona? Para que serve? É mais uma dieta da moda? Não. Segundo ginecologista e obstetra, pós-graduada em Nutrologia e membro do The Institute for Functional Medicine (IFM), Bruna Pitaluga Peret Ottani, trata-se de um estilo de vida.

“É um estilo de vida e uma das formas mais eficazes para a perda de peso”, afirma. Na entrevista abaixo, Bruna explica como funciona o jejum intermitente e quantas horas homens e mulheres devem ficar sem alimentação.

Boa leitura e até semana que vem!

 

Muito se fala sobre jejum intermitente. Afinal, como funciona? Ele realmente é eficaz para perda de peso?

Bruna Pitaluga Peret Ottani – Existem vários protocolos para jejum intermitente. Como conceito, o jejum é o período em que uma pessoa não ingere calorias, de qualquer fonte nutricional. O protocolo mais usado é o do LeanGains, onde uma pessoa come por um determinado período do dia. Para homens, o jejum é de dezesseis horas e a janela de alimentação de oito horas. Para mulheres, o jejum é de catorze horas com janela de alimentação de dez horas. A grande maioria das pessoas se adapta melhor quando pula o café da manhã e come a primeira refeição no almoço. Por exemplo, uma mulher come a última refeição às 22h00 e dorme. No dia seguinte, ela deve comer a sua primeira refeição às 12h00. Muitas culturas e religiões usam o jejum. Durante datas festivas e religiosas, jejuar é utilizado coo forma de clareza da mente, inclusive. Portanto, não se trata de uma prática nova ou dieta da moda. Os nossos antepassados não sentavam à mesa e comiam como nós, simplesmente, porque a oferta de alimentos era escassa. Eles acordavam de manhã e saiam das cavernas para caçar em jejum ou para procurar vegetais em jejum. Logo, jejuar é mais comum para o nosso corpo do que comer uma refeição de três em três horas.

Qual a eficácia do jejum intermitente para a perda de peso?

Bruna – O jejum intermitente é uma das formas mais eficazes para perda de peso. Durante o jejum, o metabolismo libera hormônios que queimam calorias, principalmente da gordura abdominal, e que mantém músculos. A insulina, o hormônio relacionado com a glicose, se estabiliza, o que, não só melhora o metabolismo de carboidratos, mas também reduz o apetite e vontade de comer doce. Faz o cérebro funcionar melhor e ajuda no tratamento de pessoas com resistência à insulina e pré-diabetes.

Durante o período de jejum é possível ingerir água e café, por exemplo?

Bruna – Durante o período de jejum a pessoa deve beber muita água e líquidos não-calóricos, como chá e café, sem açúcar. Não recomendo o uso de adoçantes em geral, exceto stevia e xylitol, porque trabalhos associam o uso contínuo desses adoçantes artificiais a um aumento na resistência à insulina. Durante a janela de alimentação, deve-se comer normalmente, duas a três refeições completas. Claro que não adianta comer hamburguer, pizza e batata frita! As refeições devem ser ricas em nutrientes vindos de vegetais, proteína de qualidade e gordura boa.

É possível praticar exercício físico durante o jejum?

Bruna – Pode e deve. A atividade física associada ao jejum potencializa os efeitos metabólicos do jejum melhorando ainda mais os resultados. Existe um período de adaptação que a pessoa deve estar consciente da mudança e respeitar essa transição. Geralmente, em duas semanas as pessoas estão bem adaptadas e retornam a intensidade dos treinos normalmente.

O jejum intermitente pode ser feito por longos períodos da vida?

Bruna – O jejum intermitente é um estilo de vida, e não uma dieta. As pessoas podem adotar essa prática pela vida toda. Não existe um limite de tempo. Aliás, a comunidade científica é unânime em declarar que a restrição calórica é a melhor medida para se obter a longevidade.