Para muita gente, 2018 só começou anteontem, após longo período de festas, Carnaval e muita bebida e comida. Segundo o nutricionista Clayton Camargos, diretor da Metafísicos, as estatísticas mostram que 45% das pessoas fazem resoluções de “Ano Novo”: 38% relacionam-se com mudanças na imagem corporal, especialmente, o peso e emagrecimento. E, em média, essas resoluções não perseveram por mais de duas semanas.

Ainda de acordo com ele, em geral, as resoluções são recursos temporários para problemas de longo prazo, produzidas sob uma circunstância isolada e não a partir de uma associação legítima. “Estar comprometido com a emoção de uma resolução de “Ano Novo” pode ser um potencial catalisador para a mudança. No entanto, reduzir o peso e melhorar a saúde são metas que demandam tempo e precisam mais do que apenas matricular-se em um programa de exercícios da moda para alcançar sucesso. Se você pretende seguir com seriedade o propósito de uma vida saudável, é fundamental fazer o “dever de casa” que contempla necessariamente auto avaliação e planejamento”, afirma.

Clayton diz que ter a “perda de peso” como o objetivo final em detrimento da melhoria da saúde global, pode ser uma receita para o fracasso. “Um estudo publicado em 2013 propõe que a ênfase na diminuição ponderal, ao invés da adoção de um estilo de vida majoritariamente saudável, produz cerca de 60% de NÃO adesão em curto, 77% em médio e 92% em longo prazo ao tratamento. Encorajar as pessoas a modificarem suas dietas e exercícios especificamente para perder peso, embora razoavelmente bem sucedido em uma perspectiva mais breve, pode não deixar os indivíduos mais magros ou saudáveis quando raciocinada sob uma compreensão mais longeva.”

Ainda segundo o nutricionista, portar uma meta realista e uma estratégia para alcançar o seu objetivo é a chave para evitar as frustrações típicas das resoluções de “Ano Novo”. Logo, elencam-se 06 dicas importantes para iniciar uma nova jornada anual, de sorte que não se torne mais uma estatística frustrada:

 

1.Mapeie os “alimentos gatilho” para “compulsão”, ou seja, aqueles mais ricos em gorduras trans, açúcares simples, sódio, geralmente industrializados e processados, produtores de maior atração e que disparam um consumo descontrolado (incluem-se aí as bebidas alcóolicas!). Em seguida, livre-se deles. Nas fases iniciais do tratamento, não mantenha “alimentos gatilho” ao seu alcance;

2. Leve um dispositivo eletrônico móvel (notebooks, tablets, “smartphones”, etc.) onde quer que vá, no transcurso dos primeiros 03 meses de seguimento do plano alimentar: pesquisas recentes mostram que é preciso uma média de 66 dias para quebrar quaisquer tipos de hábitos. E o primeiro passo para mudar uma tradição é reconhecê-la. Assim, durante 90 dias, condicione-se a registrar tudo o que você ingerir, mesmo água. Conheça seus pontos fortes, fraquezas e padrões de consumo. Use seus apontamentos para perceber armadilhas comuns, bem como para historiar os acertos e realizações. Investigações mostram que indivíduos que mantêm diários alimentares consomem cerca de 15% menos de alimentos pobres nutricionalmente do que aqueles que não o fazem;

3. Quando acabar de jantar ou consumir a refeição noturna, feche a cozinha: uma revisão sistemática concluiu que         comer tarde da noite aumenta significativamente o número total de calorias ingeridas. Evitar esse consumo  pode fazê-lo se libertar de 300 ou mais kcals por dia, o que significaria o aumento de até 14 kg em 12 meses.  Uma vez que os pratos forem lavados, apague a luz, bata a porta, escove os dentes, diga boa noite aos alimentos  e tenha sonhos maravilhosos.

4. Não tenha receio de pedir a compreensão, apoio e cooperação de amigos e familiares: solicite gentilmente que sejam solidários ao longo da sua nova direção. É impressionante como as pessoas que não estão sob dieta, e mudança do estilo de vida, se sentem incomodadas e tendem a “sabotar” esse tipo de empreendimento! Seja resiliente e afaste-se das influências negativas ou que não apostam no seu sucesso;

5. Não aceite desculpas: as justificativas podem ser mentiras que contamos para nós mesmos para escaparmos de um contexto que exige esforço e capacidade de superação. Com efeito: “não sei em qual academia me matricular”, ora, inscreva-se naquela que lhe trouxer mais bem estar, seja custo-benefício e, sobretudo, próxima de sua residência ou local de trabalho. “Eu não gosto de academia”, pois bem, faça uma caminhada, corrida ou busque uma atividade física que lhe seduza e provoque sua adesão espontânea como uma fonte de energia e felicidade.

6. Seja assistido por um nutricionista ou médico com formação correspondente, isso não apenas pode afiançar um tratamento qualificado, mas também resultados satisfatórios com segurança clínica.

 

Emagrecer, aumentar ou definir a massa muscular, modificar a composição e a imagem corporal não é uma decisão sazonal, mas um câmbio absoluto para um estilo de vida próspero.

Até a semana que vem!