A artesã Débora, grávida do terceiro filho, rifa uma das televisões de casa para pagar parto humanizado

Quando a estudante de enfermagem Vanessa Pangaio, 33, engravidou de seu quarto filho, Raphael, 2 anos, decidiu que sua vontade de ter um parto normal teria de ser finalmente respeitada. Depois de três cesáreas, “todas desnecessárias”, segundo ela, sabia que não seria fácil. “Todos os médicos com quem me consultava diziam que como eu tinha sido submetida a três cesáreas, iria ter outra cesárea”, conta. Vanessa decidiu então contratar uma equipe humanizada. O custo desses profissionais era de 7 mil reais.  “Fiquei desesperada porque não tinha dinheiro e queria muito parir”, conta. Mesmo sem nenhum real guardado, com um convênio que não oferecia reembolso e que contava com médicos que declaradamente apenas faziam cesárea, decidiu ir à luta. Com ajuda de mulheres de grupos de apoio ao parto que fizeram doações de roupas usadas, organizou um bazar para arrecadar dinheiro. Também fez rifas com outras doações recebidas. Vendeu todos os números e quando faltava pouco mais de mil reais para completar o valor total, recebeu uma doação em dinheiro, de uma mulher que nem a conhecia pessoalmente, mas que sentiu-se tocada pela sua luta. “Receber uma quantia alta de uma pessoa que nem era próxima me tocou muito”, lembra. O valor total para pagar a equipe que assistiria o nascimento de seu filho no hospital foi alcançado apenas dias antes do parto. “Chorei muito quando consegui”, conta. “Todo esse processo, da arrecadação de dinheiro ao parto do jeito que sonhei foi maravilhoso. Transformador”, conclui.

Maíra Matos: Em vez de chá de bebê, chá de parto. Foto: Mari Hart

Maíra Matos: Em vez de chá de bebê, chá de parto. Foto: Mari Hart

A consultora comercial Maíra Matos, 30, abriu mão do tradicional chá de bebê para fazer um chá de parto. Em vez de fraldas, roupinhas de bebê e itens de enxoval, pediu doações em dinheiro para os amigos mais próximos. “Tinha um cofrinho na sala e cada um dava o que podia”, conta. Os amigos assinavam em um macacãozinho de bebê que foi guardado como recordação do dia em que todos ajudaram. Maíra arrecadou dois mil e quinhentos reais dos cinco mil e setecentos que precisava para pagar a equipe que assistiria seu parto domiciliar.  A diferença foi completada pelo décimo-terceiro salário e algumas economias feitas pela família. “O parto foi fantástico”, lembra.

As mulheres estão optando cada vez mais por equipes particulares porque não confiam mais nem nos partos oferecidos pelo convênio, nem nos feitos pelo SUS, o Sistema Único de Saúde. Em média, 82% dos partos assistidos por médicos do plano de saúde e  52% dos feitos no sistema público são cirúrgicos. Desrespeito à lei do acompanhante e violência obstétrica são práticas comuns e que assustam e afastam muitas mulheres que, por isso, decidem parir em casa, onde se sentem mais seguras, com a ajuda de médicos, enfermeiras obstétricas ou obstetrizes.

Vanessa: Rifas e bazar fizeram com que ela conseguisse pagar seu parto normal

Vanessa: Rifas e bazar fizeram com que ela conseguisse pagar seu parto normal

É o caso de Pamela de Mattos Siqueira, 23 anos. Seu primeiro filho nasceu de parto normal pelo SUS. “Foi um parto cheio de intervenções”, lembra. Mesmo tendo convênio agora decidiu que terá sua filha, Morena, em casa. Ela precisa de 5 mil reais para pagar a equipe contratada e está fazendo uma “vaquinha virtual” para arrecadar pelo menos parte do dinheiro. Vai tentar reembolso do resto com o convênio, mas não sabe se irá conseguir. (Clique aqui para visualizar a vaquinha feita por Pamela.)

Débora Roggia, 31, artesã, mãe de duas meninas, sentiu na pele o peso dessa pressão pelo parto cirúrgico. Ela só descobriu que não precisava ter feito as duas cesáreas que trouxeram as filhas ao mundo quando engravidou do terceiro filho, que chega em outubro. “Eu sempre quis parto normal, mas só depois que frequentei grupos de apoio vi que fui levada à cesariana baseada em mitos e poucas evidências científicas”, afirma. Para fugir da terceira cirurgia, decidiu rifar uma das televisões de casa para contratar uma equipe particular e ter seu parto respeitado. Se vender os 5o0 números disponíveis, conseguirá o valor integral para pagar a equipe escolhida. ( Clique aqui para visualizar a rifa de Débora.) “Essa é, infelizmente, a única forma de conseguir um parto respeitoso nos dias de hoje”, afirma. 

 

Leia mais: Mulheres divulgam índices de cesáreas de obstetras que atendem parto pelos planos de saúde

Leia também: “Não me corta!” Mulheres imploram mas mesmo assim são mutiladas durante parto normal 

Leia mais uma: Médico com 90% de partos normais no curriculum afirma: “É possível não se corromper e oferecer segurança no parto”