Thor cortada

Eu sempre tirei nota baixa em educação artística. Juro. Conseguia me dar bem nas primeiras aulas e tals, mas nunca tive criatividade para desenhar ou pintar, coordenação motora para cortar na linha pontilhada ou talento para propor coisas que iriam chocar a geração atual e serem vistas como revolucionárias pela posterior. Esclarecido isso, digo que sou daquelas que preferem contratar um buffet e alugar uma mesa de festa já pronta a ter de que procurar e comprar um bolo incrível, docinhos, cupcakes, salgadinhos, pipoca, gelatina, refrigerantes, cerveja, água, gelo, guardanapos e ainda por cima ter de deixar o salão de festas um lugar lindo, mágico e bem decorado para as crianças e os pais.

Mas a minha irmã não é assim. Ela adora cada etapa desse processo. E ela é madrinha do Samuca. E faz tudo por ele. E me convenceu e me levou junto nesse processo insano que é fazer uma festa infantil.

Por isso vou listar as coisas mais legais e mais estressantes de ter feito a própria festa do filho segundo minha modestíssima opinião. As “mais mais” são:

1. A família inteira participa. A pré festa pode ser tão ou mais divertida que a própria festa. Ontem a cena era essa: Marido enchendo bexigas com um cilindro de gás Hélio, dois cunhados dando os nós nas ditas-cujas, outro cunhado cortando os fitilhos que eu amarrava em cada uma junto com meus enteados e Samuca maravilhado soltando as bexigas que voavam para cima da mesa de aniversário que era cuidadosamente decorada pela minha cunhada e irmã enquanto meu pai armava um pula-pula do lado de fora do salão.

Mesa

2. Poder escolher a comida que será servida com todo o carinho do mundo. Um amigo da minha prima fez uns pãezinhos naturebas deliciosos e uma vizinha do prédio onde eu morei na infância repetiu a receita de uma esfiha que fazia para mim, para minha irmã e os filhos dela naquelas tardes despreocupadas de nossa infância nos anos 80 (obrigada Facebook por me ajudar encontrá-la).

3. Ver que seu filho está em êxtase com cada coisa que foi planejada por vocês. Samuel mostrava cada detalhe para os amigos com o maior orgulho. E gostou tanto do show de super-heróis que decidiu dar o primeiro pedaço do bolo para o Capitão América. E o segundo para o Thor. E o terceiro para o Hulk. (Fomos lembrados lá pelo décimo pedaço, mas tudo bem, rs).

4. Saber que os seus amigos são amigos de verdade e para todas as horas. Mesmo. Eu e o marido decidimos que íamos tirar as fotos do aniversário porque temos uma câmera muito boa. Mas não deu certo porque havia muito a ser feito e a última coisa que lembramos foi registrar a festa. Daí apareceu o super Rogério Siqueira, amigo de quase 20 anos, que comprou uma máquina e lentes novas e estava “atacando de fotógrafo”. Ele assumiu a função sem eu pedir, tirou 400 fotos e ainda compartilhou parte delas comigo na mesma noite. E minha prima Fernanda que cortou bolo e distribuiu os pratinhos mesmo com filho pequeno (vestido de Batman) para cuidar?

As coisas mais “malas” de fazer você mesma a festa do filho são:

1.Não poder culpar ninguém além de você mesma quando acaba a água. Ou quando não sabe onde está a espátula de cortar o bolo. Ou quando manda fazer e simplesmente esquece de distribuir os imãs de geladeira onde o filho estava vestido de Capitão América com os dizeres: “Samuca, 4 anos”.

2. Ter que lidar com as chatices da burocracia de uma festa no condomínio. Sabia que o pula-pula não pode ficar do lado externo do salão? Pois é, nem eu, porque não li o papel que assinei para alugar o salão. Eu tinha visto um pula-pula igualzinho em uma festa no prédio semana passada!  O que eu não sabia que o dono da festa da semana passada recebeu uma multa do condomínio que eu também irei receber (como desmontar o brinquedo quando os olhos do seu filho já brilharam com a possibilidade de pular loucamente com os amigos naquele negócio colorido?)

3. Ter que achar garçons-cilindro de gás Hélio-copo para chopp-potinho de gelatina-bexiga de 9 polegadas-e outros bichos. Todas essas coisas exóticas (para mim) existem e podem ser contratadas/alugadas/compradas. Agora eu sei onde, pergunte-me como.

4. Ter que lidar com ataques de ansiedade da família inteira e ainda ser uma boa anfitriã enquanto sua irmã está te procurando loucamente para saber onde os super-heróis vão trocar de roupa. Sim, os super-heróis não chegam vestidos de super-heróis e precisam de um lugar longe dos olhos das crianças que acreditam piamente que eles são super-heróis e por isso não podem vê-los colocando roupa de super-heróis. Super tenso. Mas foi tudo super legal também. Até a festa do ano que vem,  folks!

Hulk