Ilustração: James Vaughan

Não, eu não posso achar que um pênis é apenas um pênis. Eu tenho que achar que o órgão sexual masculino em uma exposição de arte que recebeu uma criança com sua mãe é pedofilia. Nossa, se eu não achar isso sou uma péssima mãe, que precisa perder a guarda do filho, aliás. Haja ginástica mental para acompanhar esse raciocínio e seus desdobramentos, mas vamos lá.

Eu também não posso achar que a música da Anitta não é apropriada para crianças sob pena de entrar em contradição com o raciocínio avacalhadamente expandido do parágrafo anterior. Mas se você acha que o ‘Show das Poderosas’ não é música para crianças, uma exposição de arte com um peladão é?, ahaha, te peguei, sua esquerdalha. Desatar esse nó górdio da indigência mental demanda tempo e paciência.

A exposição do MAM não era para crianças, mas recebeu algumas cujos pais acharam por bem levá-las. No mínimo porque, ao se depararem com uma performance de um artista nu, logo lembraram que um pênis é apenas um pênis e que pedofilia, segundo Antonio Houaiss (filólogo e autor de um dicionário, tá? Não é um pensador comunista-petista-vermelho e dicionários são livros aceitos em todos os países capitalistas, ok?) não tem a ver com o órgão sexual masculino fora da cueca, mas sim é a “perversão que leva um indivíduo adulto a se sentir sexualmente atraído por crianças” e a “prática efetiva de atos sexuais com crianças”.

Não, o homem não estava ali pelado esperando pelas criancinhas e nem os pais saíram de casa para mostrar aos filhos um adulto despido. Eles foram ao Museu de Arte Moderna, uma das mais importantes instituições culturais do Brasil e encontraram, entre uma sala de exposição e outra, um artista fazendo, segundo o MAM, uma “leitura interpretativa da obra ‘Bicho’, de Lygia Clark”. As crianças viram a performance, uma delas encostou no pé do artista (e não no pênis, como os compartilhadores seriais de fake news disseram por aí) e a vida seguiu. Na verdade deveria ter seguido, né? Mas, como havia imagens dessa criança em “situação de risco”, alguém muito preocupado com o futuro dela achou por bem compartilhar o vídeo nas redes em nome da “moral e os bons costumes” e para salvar o “país de uma agenda de esquerda”. Salvaguardaram o Brasil, os princípios, mas não a identidade da menina. (Ah, e nem a imagem do meu filho, já que algumas fotos dele que estão no meu Instagram, agora fechado para quem não é amigo, também foram atacadas – mas os direitos à imagem do meu filho são apenas detalhes desimportantes nessa luta por um país ameaçado pela“ditadura da esquerda que apóia a pedofilia”).

Escultura Mochica do Museu Nacional de Arqueologia, Antropologia e História do Peru

Eu já estava na mira do ódio porque apoiei a exposição do QueerMuseu, cancelada em Porto Alegre. Como uma mãe cogita a ideia de levar o filho a uma exposição maldita que fala sobre “crianças viadas”? Ora, ora, uma mãe que quer que o filho conheça arte leva ele a toda parte: para ver as obras da Bia Leite no Santander Cultural, a Monalisa no Louvre, os Toulouse Lautrec no MASP ou os reis fálicos da cultura Mochica onde quer que estejam expostos. Não serão as irmãs Cajazeiras do MBL ou bots sem rosto do Twitter que vão me dizer o que é arte, o que é literatura e onde eu posso ou não levar meu filho. O fato dele saber que os antigos habitantes do Peru veneravam o órgão sexual masculino vai fazer apenas que entenda o que é o falocentrismo, olha o Houaiss aqui para ajudar de novo. É a “doutrina ou crença centrada no falona convicção da superioridade do sexo masculino”. Um pênis é apenas um pênis. Um órgão que é extremamente superestimado, precisava contar isso também para vocês.

Leia mais: Parem de tocar Anitta nas festas de criança. Apenas parem

Leia também: Mas você levaria seu filho a essa exposição?