Todo ano é assim. De repente, já estamos em abril. O Réveillon, as velas, a ceia e os abraços ficaram lá atrás. Já é abril. Mês 4. Alguns feriados e o outono que chega com sua luz dourada para deixar todo mundo mais calmo. Aprendemos a ver a graça das meias-estações com a idade, acho. Afinal, o outono é ou não é uma maturidade do ano? É como se ele chegasse, dando um cutucão,  dizendo: “Cresce, garota. O verão já passou, a caipirinha acabou, daqui a pouco já estamos no meio do ano. Pode começar a dar importância para as suas obrigações.”

Que fique claro: o verão é delicioso. Mesmo quem não gosta de calor não resiste a um momento de verão na vida: vestidinhos, bebidinhas, mar, happy hour feliz, sandálias de dedo. Amamos o verão porque ele é eufórico, colorido e alegre. E é, também, a estação da juventude, das lembranças de praia. Viagens com quinze amigas jogadas no sofá depois de um dia inteiro no mar e na areia, músicas gritadas aos berros no carro de algum menino mais velho e cochilos em tardes quentes. No jovem verão, a vida se resumia a nada além do pôr-do -sol, biquíni novo e do amor que estava para acontecer. Não havia contas a pagar, problemas mecânicos com o carro, gente mal-educada no trabalho ou preocupações com o futuro. Porque o futuro era ali.

E o outono, nessa história? Muita gente acha uma estação triste, cinza, insossa. Mas, convenhamos que ele pode ser mais generoso conosco do que o verão. Ninguém precisa ficar maluco com a dieta porque vai para praia e nem se cobrir inteira porque o frio não chegou totalmente. Aprendemos a gostar cada vez mais dele com o tempo, porque é uma época que traz, em si, uma grande sabedoria: a descoberta das meias-estações. Não é verão nem inverno. Nada é radical. Tudo é um grande meio termo. O outono está aí para nos dizer que não é quente nem frio. Vem para relativizar as verdades absolutas.  Chega para mostrar uma luz mais difusa. Quem não fica felizinho com as manhãs – que têm cara de fim de tarde porque o sol não é forte –  em que os vizinhos saem com os cachorros e as pessoas já andam com um casaquinho pelas ruas? Estação na qual dá para tomar um sorvete depois do almoço e um chazinho quente antes de dormir. Tirar o cobertor para fora do armário, sem ainda ser refém dele. É outono, minha gente. Abre a janela e deixa o dourado entrar.

Me acompanhe no Facebook: https://www.facebook.com/blogsemretoques

Me acompanhe no Twitter@maneustein

Leia mais textos do Sem Retoqueshttp://blogs.estadao.com.br/sem-retoques/