Depois de alguns minutos de conversa cheia de funções fáticas sobre o calor, a falta de água e o trânsito, a pessoa pergunta: “E você, tem irmãos?”. “Sim, dois. Eu sou a caçula.” Daí a pessoa, que nem te conhece – aliás, você está conversando com ela pela primeira vez – solta o clássico estereótipo: “Ah, nossa! Além de tudo, você é a caçula? Tá explicado”. Como se na palavra “caçula” já estivesse implícito um monte de conceitos: mimado, preferido, xodó, protegido. Infelizmente, não concordo com quase nenhum deles, apesar de me esbaldar no meu “trono” de caçula. Nasci por último, meio sem querer, os pais tiveram de se virar, fazer um puxadinho no quarto dos irmãos, ralar para dar aquela aumentada no orçamento e foi que foi. Tudo com muito amor e, por que não, um pouco de mimo.

Li, em um estudo, que os filhos mais velhos têm mais chances de ser bem-sucedidos. Que eles são mais responsáveis e que carregariam mais peso nas costas por serem os primeiros filhos. Também já li que o caçula é o supostamente brincalhão, o que não faz nada sério, mas diverte as pessoas. Ou seja, nessa teoria, enquanto o primeiro filho seria o cara que realiza, nós, os caçulas, seríamos os “bon vivants”, os alegrinhos. Mas calma lá. Isso não é verdade. Ser caçula realmente é muito bom em vários aspectos. Digamos que a maioria dos pais já não tem as mesma inseguranças que tinham com o primeiro filho. Então, o caçula tem a sorte de viver com pais mais experientes e, muitas vezes, com irmãos (protetores ou não) que abrem os caminhos, levando o bastão de conquistar a liberdade. O caçula, por aproveitar o que os irmãos mais velhos já conquistaram, muitas vezes não precisa passar por coisas pelas quais eles passaram, como, por exemplo, pais neuróticos com o vestibular, brigas para sair à noite, ganhar a chave de casa etc. Nesse sentido, sim, patinamos em um chão que já foi encerado por nossos irmãos mais velhos. Ainda bem.

Maaaass quem disse que a vida do caçula é mais fácil? Ora, nosso posto é algo que temos de conservar eternamente. Ele merece uma manutenção diária. Ligações para os pais, mimos, dengos. Não somos mimados, porque, desde pequenos, tivemos de aprender a respeitar o espaço do outro e a dividir. O caçula nunca foi filho único e, portanto, já nasce com espírito de comunidade maior. Se somos mimados é porque também gostamos de mimar. Caçulas, nosso nome é reciprocidade. Além do que, ser caçula tem outras dificuldades: ser a última a sair de casa e deixar os pais com a síndrome do ninho vazio, atender as expectativas deles que seus irmãos não tiveram paciência, estar perto em momentos que seus irmãos já estão mais desconectados da família.

Então, não acho que os caçulas sejam os engraçadinhos, nem exatamente os mimados. Mas desfrutamos daquele biscoito fino da paternidade: a raspa do tacho. Quem nunca gostou de dar uma raspada na panela só para ficar com o gostinho do que não coube na cobertura do bolo?

Me acompanhe no Facebookhttps://www.facebook.com/blogsemretoques

Me acompanhe no Twitter@maneustein

Leia mais textos do Sem Retoqueshttp://blogs.estadao.com.br/sem-retoques/

Posts relacionadosMorar Junto Alérgico de todo o mundo univos;  Pequenos prazeres;  MãeMulheres e Copa: um caso de amormulheres solteiras; perfume de mulher Amigas:quem tem sabeserá que vou dar conta? ;  mãetá trabalhando, tá namorando?feita com muito esmero Do que não estava planejadoquando a ficha cai ou não caiamizades tardiasfifi de mulheramor de carnavalo tema das princesas a ditadura do rosa;  a dois;  Fair Playautoestima 2balzacas modernas; alérgicos de todo o mundo cabeceira femininaa labuta de cada dia;  a arte da copilotagemcasa da mãe joanaimagina depois da Copa; por que as mulheres se sentem feias?a difícil arte de dar passagembriga de amigaso sofrimento de ser pontual cartilha de amigao reiro das bridezillasbom dia, flor do diavocê sabe o que te faz feliz?tamanho da maladezembro lotadosol de costasfriorentosvida aberta, São Paulo: Amor Bandido