É impressionante um novo tipo de comportamento que existe, principalmente online. Trata-se de tentar mandar na dor do outro. Achar que você sabe o que dói mais, ou dói menos. Ou pior, o que o outro deveria achar que dói mais ou menos. É muito triste. A linguagem da internet é tão assustadoramente rápida que, às vezes nem dá tempo de você curtir ou se chocar com algo. Porque imediatamente depois você é bombardeado por críticas. Ou de crítica das críticas. Ou da autocritica das críticas. Calma, gente! Deixem as pessoas se emocionarem. Não vale a pena colocarmos na balança o que dói mais. As mães choram igual. A dor é universal. Quem perdeu um filho em Mariana ou em Paris. Todo mundo pode analisar, culpar, apontar o dedo, querer convencer os outros de que um é menor do que o outro. Mas não adianta. Dói.

Estamos tão desumanizados que é bom lembrar que as notícias falam de pessoas. De gente que saiu para comer um rango, tomou um tiro na cabeça e não voltou para casa. De famílias que estão em estado de choque e de um país inteiro que está aterrorizado, sem poder ir à feira, sem pegar o metrô ou comprar remédio na farmácia porque está com medo de morrer. Ou de gente que perdeu tudo e tem, diante de si, um rio de cimento, sem nenhuma esperança de vida pela frente. Diante dessas situações não cabem comparações. Desculpem-me os críticos, mas acredito ser de uma crueldade sem tamanho colocar qualquer tragédia em uma balança de dor. Isso não se faz.

A dor tem a ver com a subjetividade de cada um. O atentado da França pode mexer com o seu vizinho mais do que com você. Isso não faz do seu vizinho um desesperado e nem de você um insensível. Apenas, cada um ­– com a sua história, motivos, idiossincrasias e  carga emotiva —  se emociona com coisas diferentes. Se choca com coisas diferentes. Com vídeos e matérias que mostram torcedores de futebol que espancam os outros com tacos, pedaços de madeira e afins, por exemplo. Cenas de barbárie, história de terror. Policiais matando a esmo. Cenas de guerra. De desastres. Nada disso é incomum no Brasil. Isso quer dizer que as pessoas não se chocam? Não. Muitas se chocam. Outras ficam paralisadas. Não dá pra saber. Cada um sente de um jeito, e infeliz de quem quer mudar o jeito como o outro sente as coisas. É brincar com sentimento e querer controlar o que é incontrolável.

Por essas e outras, na internet, nunca foi tão necessário pedir um minuto de silêncio. Por Mariana, pela França, por Osasco e pela lista pessoal que cada um queira adicionar…