8 De Março

Hoje não há texto

Por Ruth Manus

08/03/2017, 11h13

   

Paralisar os trabalhos para lembrar que toda mulher é indispensável.

Esse é um texto apenas para dizer que hoje não há texto. Em contraponto aos botões de rosas e aos chocolates, milhares de mulheres no mundo aderem à greve internacional de mulheres, protestando contra a desigualdade salarial e contra a violência de gênero.

Como professora de Direito do Trabalho, bem sei que o direito de greve é uma forma de autodefesa nas relações subordinadas de trabalho. Não é meu caso, não sou empregada do jornal, tenho um contrato de prestação de serviços, razão pela qual não posso simplesmente não escrever, invocando a aplicação da lei de greve porque estaria desrespeitando o contrato que eu mesma assinei (embora acredite que, caso eu optasse por não escrever, o jornal respeitaria minha decisão, sem qualquer tipo de sanção).

Escolho escrever hoje para dizer que hoje eu não escreverei. Não buscarei uma boa ideia dentro do meu peito, não compartilharei as palavras mais bonitas que me virão à mente. Hoje os trabalhos serão paralisados em memória das mulheres que morreram carbonizadas em Nova York lutando por melhores condições de trabalho, dando origem à celebração do dia 8 de março.

Hoje não tem texto em respeito a cada uma das mulheres que ganha menos do que seus colegas homens. Hoje não tem texto porque hoje é dia de lembrar de toda violência física, verbal e psicológica que sofremos. Hoje não tem texto porque leio dezenas de menções nojentas sobre o “universo feminino” enquanto o universo masculino é o universo inteiro. Hoje não tem texto porque eu me dei o doloroso direito de me lembrar quantas vezes fui (e sou) diminuída pelo fato de ser mulher.

Hoje não tem texto apenas para mostrar que o trabalho de cada mulher é indispensável: nas escolas, nos hospitais, na indústria, nos escritórios, nas universidades, nos tribunais, nas agências, nos restaurantes, nas cooperativas, nos jornais. Hoje não tem texto apenas para que sintam a nossa falta.

 

 

 

Comentário(s)

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.