Mestrado. Doutorado. Pós doc. Livre docência. Quando entramos nesse barco, das duas uma: ou somos vistos como uma espécie de heróis-destrambelhados-inteligentes-porém-meio-sem-rumo-na-vida ou somos vistos como absolutos vagabundos que fingem que estudam porque não querem trabalhar. Não há muito meio termo.

 

Ser pesquisador é mesmo algo muito interessante. Porque que as expressões “ser” e “pesquisador” bastam quando estão juntas, mas quase ninguém entende isso. É fácil as pessoas entenderem as expressões “ser médico”; “ser advogado”; “ser motorista de uber”. Mas com pesquisadores, não basta ser, porque teoricamente é pouco. E sempre uma das duas perguntas a seguir será feita: e o que mais você faz? – ou – mas você faz doutorado/mestrado/pós doc/livre docência para quê?

 

É difícil explicar para as pessoas que toda pesquisa tem a sua relevância. E que praticamente tudo o que elas usam, fazem, consomem e sabem é fruto da pesquisa de algum acadêmico. A tecnologia do carro, a embalagem do iogurte, o tecido da roupa, o carregador do celular, o direito de ir e vir, o pavimento do chão, a proteção das árvores, as coisas que se sabe sobre a história, sobre a política, sobre a literatura, sobre as carecas e sobre a boa forma.

 

Nada brotou nos livros, nem na cabeça dos professores. Tudo foi pesquisado e concluído por uma dessas pessoas estranhas que fica dias e mais dias enfurnada numa biblioteca e que, nas festas de família frequentemente é vista como aquele sobrinho que não deu muito certo, enquanto todos aplaudem de pé os êxitos do primo que trabalha num grande banco e anda de carro grandalhão.

 

Todos temos nossos méritos. Engenheiros, comerciantes, motoristas de ônibus, cirurgiões dentistas, manicures, psicanalistas, executivos de multinacionais, empregadas domésticas. Mas é preciso começar a entender que quem “só” estuda, não merece esse “só” na frente de “estuda”. Estudar, fazer pesquisa, coletar dados, redigir teses é algo tão indispensável para uma sociedade quanto operar pessoas e construir estradas.

 

Se a pesquisa for na Sorbonne, em Harvard ou no Vale do Silício, parece mais louvável. Mas é importante lembrarem que alguém precisa estudar o Brasil. E que esses “vagabundos”, que vivem de bolsas de estudos muito magras (e cada vez mais raras com os intermináveis cortes do governo Temer no campo científico), são os poucos que ainda podem fazer alguma coisa por esse país, que caminha cada vez mais no rumo da ignorância e da truculência.

 

Toda pesquisa tem valor. E é preciso que as pessoas entendam que quando elas não compreendem a relevância do estudo de alguém, as desinformadas são elas, e não quem fez a pesquisa. Não é óbvio? E que frases como “nossa, e isso é importante?” ou “nossa, nem sabia que isso existia” são sutis agressões cotidianas a quem dedica um tempo tão valioso a temas relevantes dentro das suas áreas.

 

Uma tese sobre o voo das borboletas pode te parecer inútil. Mas provavelmente você só vê borboletas nos seus dias porque alguém as estuda e as protege. Uma pesquisa sobre a escravidão no Caribe pode te parecer pouco relevante. Mas só entendemos a sociedade latino-americana de hoje se estudarmos toda essa trajetória. Uma dissertação sobre um determinado princípio da física pode te parecer coisa de maluco, mas talvez seja ela que tenha sido a responsável pelo sistema de segurança do seu carro, que talvez ainda te salve a vida.

 

Estamos vivendo um momento no Brasil, no qual a educação representa a mais genuína ameaça aos poderes e aos privilégios daqueles que se instalaram no poder. O corte de gastos e de bolsas não acontece por acaso. Quanto menos acessível for o ensino superior, quanto menos viável for a vida acadêmica, mais ignorante o país permanece. E é exatamente isso que eles querem.

 

Valorize quem pesquisa. Pare de atrelar sucesso a dinheiro. Se interesse pelo que as pessoas estudam, ainda que seja um assunto distante para você. Ouça e tente aprender algo, em vez de dar de ombros julgando ser um trabalho pouco útil. Agradeça quem pesquisa. Talvez a vida deles fosse mais fácil num outro emprego, salário melhor, horário pra entrar e pra sair. Mas ainda há quem queira melhorar o mundo.