novosnovos

Todo mundo sabe, são novos tempos,  porque somos testemunhas dessa grande mudança que veio com a Internet, essa linda.

Nesses novos tempos o que sempre veio de cima pra baixo, agora acontece lado a lado. No melhor estilo Bella Gil trocamos a hierarquia pelo compartilhamento, o individual pelo coletivo, o silêncio pela expressão, a invisibilidade pela exposição, o isolamento pela globalização.

Eu me lembro, lá no começo da Internet, quando usei uma ferramenta para ver de onde vinham os acessos do meu blog (desde 1999) e encontrei alguém que lia meus textos em Trinidad e Tobago. Quanta felicidade e surpresa! Eu me senti quase uma super-heroína, um ser com um super-pequeno-poder de me fazer ouvir numa (duas, ok) ilha no Caribe!

A mudança do mundo pós-Internet e pós-redes-sociais é tão grande que não cabe em um post, um livro, uma enciclopédia online. E, mesmo assim, o YouTube, maior rede social do mundo, maior autoridade em consumo de vídeos e  comportamento online do planeta Terra, conseguiu sintetizar tudo nesse slogan, “Novos Tempos. Novos Ídolos.”

Sim, porque você vê ídolos vlogueiros no YouTube e pensa: “mas o que ESSA pessoa tem pra ter tantos milhões de assinantes e acessos?”

Então. até isso mudou, o conceito de sucesso.

Sucesso sempre foi uma espécie de reconhecimento coletivo de um dom. Um cantor com voz linda, um músico que domina um instrumento, um artista plástico, ator especial, professor maravilhoso, cientista esforçado, escritor talentoso,  atleta recordista, etc. Sucesso era quando essa pessoa com esse dom conseguia exibir essa dádiva divina para um grande número de pessoas através do canais de comunicação, como TV, Cinema, Rádio, Revistas e Jornais. Os meios ajudavam a divulgar essa pessoa e o povo reconhecia.

Agora, todo mundo pode ser seu próprio espaço de mídia, de graça, e se AUTO-DIVULGAR, com ou sem talento, com ou sem um assunto, com ou sem permissão de ninguêm.

Se antes SUCESSO estava ligado a DOM, agora FAMA está ligada à REPRESENTATIVIDADE.

Claro, a indústria da beleza continua vendendo mulheres LINDAS, mas aí eu te pergunto:

– Tem mais mulheres perfeitas e lindas e magras, ou mais mulheres normais com corpos de todos os tipos e tamanhos e cores e formas?

Exato. Tem mais mulheres comuns. Somos maioria! Portanto, é possível fazer MUITO SUCESSO representando as pessoas que não são as ‘belas da indústria’!

Hoje podemos escolher como ídolos pessoas que NOS REPRESENTAM! Não aplaudimos a pessoa apenas PORQUE ela é especial, mas porque ela NOS TORNA ESPECIAIS, porque elas falam o que pensamos, porque ensinam o que precisamos, porque comentam os assuntos pelos quais nos interessamos, porque elas têm soluções para problemas que vivenciamos, porque elas são vulneráveis como nós, porque são “GENTE COMO A GENTE”.

Nesses novos TEMPOS, os novos ÍDOLOS são pessoas que nos ajudam a nos AUTO-APLAUDIRMOS! Porque ela nos divertem, nos empoderam, nos orientam.

O sucesso ‘tradicional’ dos grandes ídolos da música, do cinema, da TV, vão continuar existindo. Mas além de admirar e aplaudir a Ivete Sangalo que tem uma voz impressionantemente linda, também podemos ser fãs da Bruna Vieira e compartilhar toda sua trajetória de vida desde os quinze anos de idade apenas porque gostamos DELA!

Nesses novos tempos queremos ouvir opiniões sobre os fatos do cotidiano, queremos saber o dia a dia de pessoas, queremos ver a realidade,a intimidade, da família Kardashian ou da Thaynara do Snapchat.  Não adianta julgar, ficar revoltado, é o que temos pra hoje, é a REALIDADE!

Nesses novos tempos é possível falar pra câmera sem se arrumar toda e passar maquiagem, como JoutJout. Nesses novos tempos é possível ensinar sem parecer um professor acima de você e sim, a seu lado, como o Caio. Nesses novos tempos é sucesso falar bobagem que todo mundo fala, com seu sotaque regional e seu quarto bagunçado, como o Whindersson.

Nesses novos tempos estamos começando a ser mais naturais, mais iguais, mais democráticos. E por isso temos novos ídolos.

Tomara que esses novos ídolos nos ajudem e um dia e possamos todos ser mais humanos.