Pra reclamar, tem que fazer sua parte. 

Foto: Pixabay

Dados da PNAD Contínua divulgados pelo O Globo mostram que os homens só passam a realizar tarefas domésticas quando moram sozinhos (leia-se, não têm mulher pra fazer por eles). Nesse contexto, mais de 90% deles lavam a louça, contra 97,5% das mulheres na mesma situação.

Se há cônjuge na casa, os 90% viram menos de 60%. Pouco mais da metade dos chefes de família se dá ao trabalho de lavar o prato depois do almoço quando há outra pessoa para fazer por ele. Há um grupo, no entanto, que é alvo de cuidados pelos homens brasileiros: os pets. Esses, segundo os dados da PNAD, passam a ser mais cuidados pelos que vivem acompanhados do que pelos solteiros.  

A desigualdade na distribuição das tarefas domésticas e o desproporcional tempo gasto por nós para cuidar da casa, nos deixando com menos tempo livre e minando oportunidades de trabalho são dados do senso comum, o que não quer dizer que não sejam chocantes. Mas todo mundo sabe, inúmeras pesquisas registram esse fenômeno. Registram que desde a infância as meninas são oneradas com tarefas domésticas enquanto os meninos têm esse tempo para o lazer. Para ser justa, registram também uma tendência de melhora nos últimos anos, embora a passos de tartaruga. Há uma porcentagem maior de homens responsabilizando-se pelas tarefas domésticas, já que cuidar do lugar que você mora não é uma habilidade atrelada a nenhuma genitália e lavar louça não faz a mão de ninguém cair.

É tão enraizado em nossa cultura que até os xingamentos anti-feministas usam e abusam do “vai lavar uma louça” ou “é muita falta de louça pra lavar”. É uma ofensa banalizada, mas que nesse contexto não quer dizer outra coisa senão que o lugar de mulher é esse mesmo – e apenas esse. Diz nas entrelinhas que a falta de ocupação doméstica planta ideias estranhas como o feminismo e faz as mulheres pensarem que podem fazer outras coisas além de lavar louça. É surreal que pessoas que literalmente não lavam a louça acham que estão em posição de nos ofender e de demandar que a divisão de tarefas permaneça assim.  

Lavar louça é um saco. Secar então, misericórdia. Nesse sentido, entendo completamente que alguém queira delegar a tarefa. Mas por mais chato que seja, lavar louça (e cuidar da nossa casa) é dessas coisas que a gente tem que fazer. Não é caso para escândalo, para ofender mulheres e lamentar  por estar “ameaçado” de ter que cuidar do próprio nariz. Alô, lavar louça é o mínimo necessário para ser um adulto. E varrer a casa, cozinhar, lavar banheiro, etc. Em suma, ser capaz de realizar as tarefas básicas para a manutenção da sua vida.

Lavar louça (e dividir as tarefas em casa) não traz realização espiritual nem te eleva como ser humano, só te faz um cara decente. E evita que você passe o ridículo de chamar as mulheres de “geração mimimi” sem sequer saber desengordurar uma frigideira.


Contate-me no Facebook