A gente vive em um mundo politicamente correto, que saco. Por isso, sair por aí falando que gastou dinheiro em uma bolsa ou em um blazer incrível, em tempos de consumo consciente, pode ser um crime – dependendo dos círculos que você frequenta. Seguindo os rótulos atuais, se você estiver com um monte de “peruas” desmioladas, pega bem dizer que gastou alguns salários mínimos em uma bolsa. Mas se você estiver em um meio mais “intelectual”, onde o status é NÃO gastar, nem tente ir com a sua bolsa cara. Em alguns deles, mais radicais, não diga nem que tem uma faxineira. Sim, as pessoas adoram julgar. Esse é o nosso tempo, feito de dedos em riste, até mesmo para coisas tão pessoais, como a maneira como cada um gasta seu suado dinheirinho.

Eu já tive vergonha de dizer que ia ao shopping comprar uma roupa nova. “Mas, Fabiana, não é você que vive dizendo pra gente não gastar?”. Bem, sou eu que digo para não gastar…mal (posso provar, clica aqui pra ver que eu acredito que roupa é investimento). Comprar o que não precisa, comprar por impulso ou gastar tudo antes da liquidação chegar não é a maneira mais inteligente de compor o guarda-roupa, mas isso é o que eu digo pras minhas clientes. Não paro ninguém na rua pra olhar a fatura do cartão de crédito. Deus me livre.

Pelo contrário, eu tenho prazer em escolher uma peça de roupa que vai valorizar minha imagem profissional (por exemplo), que tem tudo a ver com meu estilo, que está com um bom preço, que tem qualidade, que vai durar por anos, que eu fique contente toda vez que vestir. Para algumas pessoas, gastar em viagens ou na prestação de uma casa é ok, mas em um guarda-roupa, não. Não posso julgar prioridades, mas acredito que um bom closet pode ajudar, sim, na autoconfiança, na carreira, nas relações. Quando as pessoas se sentem bem com o que vestem, quando provam algo que as deixa mais bonitas, mais adequadas para o que vivem, mais originais ou mais felizes, tudo isso eleva a autoestima. E isso não tem preço.

Beijo me escreve: consultoria@fabianacorrea.com.br ou no Insta @fabianacorrea_estilo

P.S.: Estamos em março. Se tudo der certo, a peça que você gostou hoje estará por metade do preço dentro de três meses.