O tecido é um dos itens primordiais em um projeto de decoração, uma vez que uma boa escolha – seja para cortina, estofamento ou tapete -resultará na composição correta do estilo que a proposta seguirá. O tecido nada mais é que o arranjo entre o fio (fibra) e a trama, em múltiplas combinações. Sua origem é documentada há mais de 4.000 anos a.C e, enquanto no Egito disseminou-se o linho, na Índia popularizou-se o algodão e na, civilização chinesa, a seda.

(Anelisa Lopes escreve sempre às terças. Acompanhe alguns de seus projetos e referências no Instagram: @a81_design)

Qual o tipo de tecido mais indicado para seu projeto? (foto: arquivo pessoal)

O fio natural pode ser vegetal (algodão, juta, linho ou ráfia) ou animal (couro, lã e seda). É mais suscetível ao desgaste do tempo, ou seja, menos indicado para locais onde haverá incidência de luz solar ou muito uso, já que também amassa e desbota com mais facilidade. Já a fibra sintética é fabricada a partir de acrílico, poliéster, poliamida e polipropileno. Derivada do carvão e do petróleo, é mais durável e apresenta cores mais intensas. 

As tramas, por sua vez, são diversas. As principais são jacquard, gobelin, damasco, chenile, bouclé, shantung, veludo (liso, cotelê e flame), panamá, gorgurão, sarja, matelassê, camurça, cetim, voil e tule. Cada uma delas pode ser trançada a partir de um fio natural ou sintético, formando várias associações, como, por exemplo, shantung de seda ou de poliéster. Quanto mais fio por área de trama, mais alto o valor do tecido. 

A impermeabilização de tecidos é indicada para conter líquidos apenas (foto: arquivo pessoal)

A opção por um tecido ou outro deve estar diretamente relacionado à sua função no ambiente. É preciso ter atenção à presença de animais de estimação (os mais indicados neste caso são aqueles com a trama bem fechada, como camurça, chenile ou jacquard sintéticos) ou crianças (prefira os que podem ser lavados com frequência, como a sarja, ou com acabamento impermeabilizado – vale lembrar que todos podem receber esta camada de resina, que possuem a função de conter apenas líquidos).

O uso do tecido vai além do estofamento e das cortinas, podendo ser utilizado também nas paredes. É preciso, no entanto, ter cautela à repetição da estampa, assim como acontece com o papel de parede, e sua aplicação: um profissional especializado sempre é indicado, já que para que o acabamento fique perfeito, indica-se usar uma fina camada de espuma por baixo do material.