No cronograma de um projeto, a maior parte do mobiliário deve ser definida antes da finalização e isso inclui tantos os que são feitos sob medida como os prontos comprados em lojas em móveis. E como definir qual deles é o ideal para o seu projeto? Há algumas situações específicas para cada tipo.

(Anelisa Lopes escreve sempre às terças. Acompanhe alguns de seus projetos e referências no Instagram: @a81_design)

Normalmente, ambientes menores exigem um investimento de marcenaria sob medida mais alto para que cada cantinho seja bem aproveitado de forma ergonômica e funcional. Há muitas soluções que se adequam a quartos, banheiros e cozinhas pequenos, como camas retráteis, mesas embutidas e portas que correm por dentro das paredes.

Neste caso, é fundamental que o desenho seja feito antes de o quebra quebra começar, pois, assim, o designer é capaz de definir a melhor distribuição do espaço, com a demolição de paredes e construção de outras divisões no ambiente e, assim, sugerir um melhor desenho para o marceneiro. Mesmo com a planta baixa entregue pelo proprietário, é preciso fazer as medições do local para comprovação e projeção do móvel, pois, muitas vezes, as paredes de alvenaria são desalinhadas e 1 cm de diferença pode atrasar e até comprometer a montagem do projeto.

Móvel sob medida ou pronto? Veja como se adequam em cada situação (foto: arquivo pessoal)

O material mais usado em marcenaria planejada e que possui o melhor custo-benefício é o MDF, composto que resulta de um painel de fibras de madeira de média e alta densidade. O MDP, por sua vez, é mais barato e formado por partículas de madeira. Há ainda a madeira maciça, cara e cada vez mais escassa no mercado.

A placa de MDF pode ser pintada, revestida por uma folha de fórmica brilhante ou fosca (laminado melamínico) ou laca, tipo de pintura com resina aplicada com pistola e que, devido ao acabamento, tem um custo elevado, mas muito bonito. É preciso ficar atento ao uso de MDF em áreas molhadas e úmidas, já que este tipo de material quando entra em contato com a água estufa e não pode ser recuperado. Acessórios, como puxadores e vidro nas portas, além de tipos de acabamento, como quinas arredondadas em móveis infantis, devem também ser definidos pelo profissional e clientes para facilitar o processo de montagem.

Móveis prontos possuem uma infinita variedade de cores e modelos, mas é preciso combinar local e opção para não ter erro (foto: arquivo pessoal)

Os móveis prontos, por sua vez, devem se adequar não só ao estilo que a decoração segue, mas também, ao espaço disponível. Procure ocupar toda a área disponível. Um rack, por exemplo, deve cobrir pelo menos 80% da extensão da parede, enquanto uma mesa lateral não pode ficar perdida em meio a um canto enorme nem espremida em cima do sofá. Alinhar aparadores e bancos a espelhos e mesas de jantar também deixam o espaço mais harmônico. A vantagem dos pré-fabricados está na imensa variedade de tipos e cores, mas, assim como a marcenaria sob medida, se não estiverem disponíveis para pronta-entrega, costumam demorar pelo menos um mês para serem entregues.

Um projeto equilibrado permite misturar os dois tipos de mobiliário, seja ele sob medida e pronto. Um toque de personalidade pode ser dado por um móvel de madeira maciça ou alguma peça antiga, que seja herança familiar ou adquirida em antiquários ou casas em que as famílias estão vendendo tudo. O importante é dosar investimento e bom senso na escolha do estilo e na distribuição dos itens pelo espaço.