foto: Pixabay

 

Acordei com uma fada Sininho linda em casa, acendendo o dia de verde. Verde é esperança, né? Olha que maravilha! Vamos precisar pra depois do Carnaval. Então, levei a fadinha pra escola fantasiada e voltei pensando: “Ainda não escrevi o texto do blog. Mas hoje eu não tô a fim de falar de Carnaval. Como é que eu vou fazer?”

 

Daí, pensei: até quem ama Carnaval de paixão, como eu, tem dias que tá com preguiça. Eu olha que sou daquelas que ama samba enredo, ama desfilar, ama cobrir Carnaval no Sambódromo e que sabe sambar. Cê não acredita? Pois eu já tive até solo no balé sambando na ponta dos pés, como a Ana Botafogo fez uma vez na Sapucaí. Guardadas as proporções, claro, já que meu solo só durava parte de uma música. E ela atravessou a avenida.

 

Lembro também das “aulas” que meu pai, um pé de valsa (e pé de gafieira), dava para algumas amigas que queriam aprender a sambar, quando a gente era adolescente, lá em BH. Levantávamos o tapete do quarto, ele botava um vinil de samba enredo na radiola e sambávamos, suados, até sucumbir. Ô época boa! Tinha amiga que saía sambando. Outras, não levavam tanto jeito.

 

Porque é isso: não adianta só ensinar os princípios. Tem que ter o tal gingado, né? Coisa que nós brasileiros temos com muito mais facilidade. Vai entender como essa origem cultural funciona no corpo…

 

Pois então, eu gosto de Carnaval de verdade. Toda vez que escuto um samba, lembro do meu pai. É bem familiar. E vira e mexe, nessa época, saio cantarolando um “Ah, minha Portela, quero ver você passar… Senti meu coração apressado, todo o meu corpo tomado, minha alegria voltar… Não posso definir aquele azul… Não era do céu, nem era do mar… Foi um rio que passou em minha vida… E o meu coração se deixou levar. Foi um rio que passou em minha vida e o meu coração se deixou levar… Laiá, laiá… Laiáaaaa, laaaaaiá… Laiá, laiá… laaaaiá, laaaaiá…”

 

Coisa boa, gente. Uai, não é que comecei sem querer falar disso e agora já melhorei o astral? Ah, Carnaval! Pra quem gosta – um pouquinho que seja – é só estar aberto para se deixar encantar. Tá só começando.

***Acabo de me dar conta que superei mais um “Será que?”, com esse texto. Assunto do vídeo que gravei sem nem lembrar que Carnaval existia. Assista, vá. Vale também pra quem odeia a folia. Hahahhaha!

Siga também:

Facebook: Mãe Sem Receita

Instagram: @maesemreceita