Você é corinthiano, mas seu filho decidiu ser são-paulino. 

Você sonha que ele seja um profissional bem sucedido, que ganhe muito dinheiro… mas ele gosta mesmo é de projetos sociais.  

Você quer que ele seja fã dos Beatles… Mas ele ouve Nirvana.  E daí?

Não tem saída, a não ser aceitar.

As diferenças fazem parte da vida. O problema está na expectativa que se cria em relação aos outros. E não é só com relação aos filhos que isso acontece.