Tiro o chapéu pra quem conseguiu construir uma marca pessoal forte para viver fazendo o que ama neste mundo tão competitivo.

foto: Pixabay

 

————————————————————————————————————————————————-

“Tudo começou cinco anos atrás, quando tive meu primeiro filho. Criei a conta e ficava postando. Um dia, Zezé di Camargo achou graça, divulgou e aí…”

“Viralizou!”, completei.

Foi desse jeito aí que Mirela Acioly, uma das mães mais seguidas no universo virtual da maternidade, hoje com mais de 340 mil seguidores no Instagram, definiu o início do sucesso dela na carreira de blogueira. Foi um ponta pé e tanto… Desses que todo mundo sonha conquistar.

Todos os dias ela divide com uma multidão virtual histórias, perrengues, alegrias e opiniões. Engraçada, também faz a gente rir.

Apesar de única, a história de Mirela tem um quê que se assemelha com o de outras mulheres que se inspiraram nela ou que, por outros motivos, hoje estão no mesmo negócio. Nenhuma com a legião de seguidores que ela já arrebatou.

Cada uma dessas mulheres faz o que gosta, como quer, do jeito que quer. É um trabalho autoral. Para muitas, já virou negócio. Me lembrei agora de uma paranaense que vive na Suíça, faz viagens incríveis com o filho e encoraja outras famílias a se aventurarem (@antoniopelomundo); da mineira que tem um perfil que parece uma revista e se tornou fotografa em Paris há pouco tempo (@13anosdepois) e da surpreendente e moderna brasiliense @maedesete, que gravou comigo e marcou a minha estreia aqui no estadão.

Vai dizer que viver fazendo o que ama não parece o melhor dos mundos?! Elas conseguem até transformar drama em história. Conquistam a solidariedade dos seguidores, não têm expediente fixo, férias só uma vez por ano, nem chefia na cabeça. Mais: fazem o que acreditam.

Só tem um problema: a vida e os filhos expostos, como num reality.

“Não dá medo?”, perguntei para Mirela e para amiga blogueira, que ela ajudou a impulsionar, Francielli Rezende, a @franmissmae, que tem hoje 106 mil seguidores no Instagram.

Da amizade virtual, surgiu uma parceria: elas dividem ideias, opiniões e estratégias, porque depois que o sonho cresce, vira compromisso. Só que sem crise. Olha que maravilha!

Sou testemunha. Abri mão de pedalar na ciclovia em SP, domingo passado, para ir ao Parque Villa Lobos, participar de um piquenique de bonecas, com minha filha de quatro anos. Fiquei sabendo da ação – sim, era uma ação de marketing – pelo perfil da Mirela, o @demaeparamamae.

O dia estava lindo, tinha música boa ao vivo, deu tudo certo. “Foi melhor do que eu imaginava”, comemorou a minha amiga do mercado financeiro. Ela, que entende de negócios, mas não conhecia o mundo de blogueiras, ficou admirada.

Sinceramente, poder ser autêntica e conseguir transformar o que ama numa marca e ainda ser capaz de influenciar milhares de pessoas não é qualquer coisa. Eu tiro o chapéu!

*O vídeo de hoje é da entrevista que eu fiz no parque com duas dessas mães super influentes no mundo virtual. Para conhecer um pouquinho mais dessa história, clique e divirta-se. Ah, não se esqueça de dizer o que achou. Porque como todas sabem, o retorno é super importante!