Estadão

Fechar

Você está no seu último texto gratuito
deste mês.

No Estadão, tem sempre mais pra ler.
Continue se aprofundando nas notícias.

Assine o Estadão e tenha acesso livre »
É assinante? Entre aqui

Visitar a infância e a adolescência é um caminho para a cura

lucianakotaka

03/12/2017, 10:57

Encarar o que machuca possibilita redesenhar sua vida presente

Quantas histórias temos guardadas em nossas lembranças, umas boas e outras bem ruins. As boas lembranças irão sempre nos alimentar e trazer um saudosismo gostoso de ser experienciado cada vez que trouxermos à consciência, mas as ruins, essas gostaríamos de deixar guardadas a sete chaves, e nunca mais recordar as dores e experiências que marcam nossa vida hoje.

Ao contrário do que a maioria das pessoas faz, olhar para o que machucou na infância e adolescência, para encarar as dores, é uma forma de cuidado e cura. É de extrema importância ressignificar o que ainda dói e dar um novo sentido ao que ocorreu conosco ou as outras pessoas de nosso convívio.

Quando ouvimos algumas histórias, nós damos conta do quanto o mundo pode ser cruel, e garanto a você que muitas vezes o que nos aconteceu foi pequeno perto de outras experiências por aí. Mas de qualquer forma, mesmo tendo essa consciência, a dor nos machuca e pode sim ser determinante em nossa vida atual e futura. Por isso, é imprescindível revisitar o passado e encarar de frente as feridas, para dar espaço para respirar mais livremente e construir uma nova realidade.

Você pode até acreditar que é feliz, que conseguiu esconder dentro de uma caixinha todas as suas dores, que tudo o que passou ficou no passado, mas te garanto que não é possível sentir-se livre com um peso tão grande escondido. O fantasma da dor sempre estará te rodeando, como se a caixinha pudesse se abrir e a qualquer momento você pudesse reviver todas as suas tristezas.

A vida vai te colocar de frente a diversas situações que te lembrarão o que machuca, colocando à prova a sua capacidade de lidar com a dor. Essa é a beleza de tudo, pois somente desta forma podemos acordar para o que realmente importa, sentindo ambos sentimentos, como a tristeza e a alegria.

Desta forma, quando conseguimos ressignificar e lidar com as dores de forma mais assertiva, fazemos as pazes com o passado, identificamos o que ainda estamos repetindo no presente, e abrimos espaço para o novo, com outro olhar, com maior capacidade de lidar com as intempéries da vida.

Apagar ou esconder de si mesmo o passado só te impedirá de gozar o presente, deixando de usar o que te serve como experiência para crescer e usando as dores para uma vida de infelicidade.

Esse texto é um convite à reflexão, para olhar com coragem para tudo o que passou, sem medos e preguiça, pois não é uma tarefa fácil, mas vai concordar comigo depois de todo esse processo, que a vida tem a cor e a cara que damos a ela.

Você atingiu o número máximo de textos gratuitos este mês

Não pare por ai.
No Estadão, tem sempre mais pra ler.

Continue se aprofundando na informação. Assine por apenas R$ 1,90 no 1º mês e tenha acesso ilimitado ao Estadão.

Conheça suas opções
de assinatura

No próximo mês, você poderá ler gratuitamente mais 10 textos.

Já é assinante?

Entre aqui

Em caso de dúvidas, fale com a nossa Central de Atendimento: 4003-5323 (capitais e regiões metropolitanas) 0800 014 7720 (demais localidades). De segunda a sexta-feira das 6h30 às 20h, e aos sábados, domingos e feriados das 6h30 às 14h. A Central de Atendimento não recebe ligações de celulares.

Ir para a versão web