feliz

Quando estamos em um relacionamento a ideia de romper com o parceiro pode parecer assustadora em um primeiro momento. Isso porque nos acomodamos, construímos laços de afeto com a família e com os amigos do parceiro, fora que muitas vezes ainda sentimos amor ou muito carinho por aquele que está ao nosso lado.

Estar com alguém faz a gente sentir segurança, supre nossa carência pelo menos em um primeiro momento, mas posso afirmar que grande parte dos casais se acostuma um com o outro e às vezes permanece na relação por comodismo, medo e insegurança de viver só.

Talvez por que existe alguma crença de que só se é feliz quando estamos com alguém, como se o estar só fosse algo ruim, o que não é verdade. São vários os relatos de pessoas que sentem solidão dentro do casamento, pois já não se identificam com os pensamentos e a forma de agir do parceiro. Desta forma continua junto abrindo mão de seu real desejo, de seus sonhos, levando a vida de forma morna, sem nenhuma emoção. A solidão vai aumentando, porém para muitos ainda há uma sensação de segurança, mesmo que imaginária.

Mas quando resolvem se arriscar acabam percebendo o quanto é libertador estar só, cuidar da própria vida, sentir-se livre para buscar o caminho que acha mais agradável para si mesmo.

Esse é um grande momento para aprender a cuidar de si mesmo, lidar com a solidão que bate às vezes à porta, se dar colo aproveitando para fazer tudo o que acabava deixando de lado, ou porque não sobrava tempo, ou porque o parceiro não aprovava.

Porque não experimentar ler alguns livros, fazer aulas de dança, visitar uma grande amiga que há tempos não vê, fazer aquela viagem que sonhava tanto ou mesmo deitar no sofá e curtir uma série na televisão?

Nada é mais prazeroso do que poder manejar o tempo de acordo com o próprio desejo, aprender a lidar com as perdas se fortalecendo com as experiências que o relacionamento proporcionou.

Estar só é uma forma de aprender a se cuidar, a se amar, a se respeitar, a descobrir do que se gosta realmente, porque se caso resolver juntar as trouxas novamente, será para somar e não dividir.