O dia parecia normal para toda a família, até que ao estranhar a demora da filha em sair do quarto, a mãe abre a porta já brigando e acendendo a luz. Impacto. Ela vê a filha caída do chão, corre até a sua garotinha e ao tocá-la sente o corpo frio, já sem vida.

Quantos relatos como esse ficamos sabendo? Quando se trata de suicídio temos dados computados, mas o fato em si normalmente não é divulgado.

Existe muito tabu a respeito do suicídio, além do comportamento e sentimentos dos familiares de vergonha, raiva, tristeza profunda, medo da cobrança por não terem percebido o que havia de errado, a própria consciência sobre não ter impedido ou dado mais atenção? Será que tinha algo a ser feito?

Esse é um assunto que levanta sempre muita polêmica, basta lermos nas mídias sociais os comentários de pessoas quando uma notícia sobre suicídio é divulgada. Já conseguimos entender o que a família está sentindo, com tanta pressão, julgamentos muitas vezes tão agressivos que a dor se potencializa ainda mais.

Hoje é o dia 10 de setembro, Dia Mundial da Prevenção ao Suicídio, com a campanha Setembro Amarelo, com a intenção de conscientizar a população sobre o suicídio e formas de prevenção. Segundo os Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que o suicídio é a causa de uma morte a cada 40 segundos no mundo; aproximadamente 883 mil pessoas se matam a cada ano. O Brasil se encontra na oitava posição dos países que contabilizam o número de suicídios, segundo divulgado em 2014 pela OMS.

Já sabemos que falar sobre o assunto não estimula o crescimento de casos e sim auxilia a pessoa que está inclinada a tirar a própria vida a repensar os porquês, e buscar ajuda especializada para poder se fortalecer e enfrentar situações que podem estar levando a pessoa a desistir de viver.

De acordo com OMS, 90% dos suicídios poderiam ter sido evitados caso algumas medidas sejam tomadas, com informações, identificação dos riscos, locais preparados para atendimento e tratamento com medicação e psicologia.

Devemos estar atentos aos sinais que as pessoas emitem sobre o desejo de se suicidarem-se, o cuidado e a atenção podem ser os principais caminhos para se evitar a perda de mais uma vida. Ser ouvido, acolhido, não julgado e sim entendido, é isso que as pessoas precisam.

A dor dessas pessoas podem não fazer sentido para você, mas são agressivamente doloridas para quem as sente.

Esteja atento!