IMAGEM_ALIMENTACAO_5

Comer, comer, têm pessoas que passam o dia todo pensando em comida. Sério, eu não estou brincando, talvez as pessoas que só comem por que precisam se alimentar achem estranho, mas é verdade. Pessoas que levam lanches para o trabalho e só sossegam quando comem tudo o que tem na bolsa, ficam ansiosas e a comida serve como um conforto patológico.

Descrevem em consultório que ao chegarem em casa já entram pela cozinha e pegam a primeira coisa que veem pela frente e saem comendo, isso quando no caminho para casa não param na primeira panificadora ou posto de gasolina e fazem uma farra alimentar já dentro do carro.

Comer é extremamente prazeroso para uma grande parcela de pessoas, nada acalma mais do que sentir o estômago forrado, estufado e acreditem passar mal pode ser a única forma de fazê-los parar de comer.

Se você se identificou com essa situação imagino que apesar de sentir-se satisfeito comendo tudo o que vê pela frente, deve sentir muita angústia, afinal você sabe que está se excedendo e muitas vezes recorrer ao sal de fruta ou ao vômito tem sido a opção mais frequente.

Então vou dar algumas dicas de como driblar essa vontade maluca de comer:

– Pare e pense no momento do ataque do porque está querendo comer, será que precisa mesmo desse exagero de comida, ter consciência pode ser um bom caminho para evitar os exageros;

– Tome água, isso mesmo. Muitas vezes basta um copo ou dois para que passe a necessidade de comer quando sabe que não está com fome, e sim com desejo de comer;

– Pratique Mindfulness, inicie com três minutos e com o passar das semanas vá aumentando, garanto que sua ansiedade irá diminuir e sentirá menos necessidade de exagerar na hora de se alimentar;

– Se organize para comer de três em três horas, assim evitará um grande período sem comer, correndo menos risco de ter um ataque compulsivo;

– Anote tudo o que comer, pode ser em uma caderneta ou diário virtual, o importante é que fique concreto o quanto você come, se é ou não saudável e as quantidades ingeridas;

– Busque a ajuda de um psicólogo clínico especialista em obesidade e transtornos alimentares, assim poderá entender o que o faz perder o controle na hora de comer, os gatilhos emocionais e como não usar a comida como conforto.