Autoconhecimento

O problema não existe se não falar dele

Por lucianakotaka

12/02/2017, 06h00

   

Enquanto brincamos de faz de conta, a vida passa e perdemos a oportunidade de sermos felizes

resili

Ouvi essa frase esses dias no consultório e na hora pensei em como é verdadeiro, como não falar do que não está indo bem é uma forma de não enxergar o que está disfuncional. Na verdade esse comportamento é muito comum, famílias, parceiros, filhos que optam por ignorar um determinado problema, como se esse fato fosse resolver por encanto a situação a ser discutida.

Síndrome de Poliana é viver uma realidade construída no imaginário. Muito mais fácil? Não sei, acho que empurrar para debaixo do tapete dá um trabalho danado, afinal uma hora irá se cansar de tropeçar e irá ter que arrancar o tapete e olhar o que tanto, por anos a fio, enfiou de baixo dele.

A grande questão é quando você vai parar de amontoar uma série de fracassos e encarar o que realmente precisa ser acolhido, resolvido. Muitas pessoas passam a metade da vida optando por parceiros e/ou situações das quais não lhe trazem felicidade, outras passam a vida toda e só encontram a paz na morte.

As escolhas sempre são um caminho a ser avaliado, você pode optar por ir em frente e brincar de faz de conta, mas será que é mesmo a melhor opção? Talvez a culpa seja do tempo, da falta de habilidade, mas o que precisa ficar claro é que em algum momento terá que aprender a sentir, olhar, enfrentar e sofrer se for preciso, mas tirar de baixo do tapete.

Nomear os sentimentos, entender as emoções e comportamentos faz parte da grande aprendizagem da vida em que ficamos mais fortes, mais hábeis, facilitando não somente a vida emocional, mas também a profissional. Quanto mais nos confrontamos, mais resilientes nos tornamos em uma construção de um novo eu, muito mais capacitado, com recursos para enfrentar e não se esconder de situações de conflito.

A verdadeira vitória está justamente em se colocar como aprendiz, buscando sempre compreender, não somente o outro e o ambiente ao redor, mas a si mesmo.

 

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Comentário(s)

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.