Apesar de estamos no século XXI, ainda escuto pessoas contarem sobre como depositam no parceiro, nos filhos, e até nos amigos, a sua felicidade. Parece estranho, mas esse conceito vem sendo fortalecido há anos, hoje talvez não se leia tanto a história da Bela Adormecida, mas temos a Barbie e o Ken como exemplo de romance.

Ainda temos avós e mães preparando enxovais, preparados com muito carinho à espera do dia em que chegará o tão sonhado pedido de casamento a um membro da família. Nada contra essa preparação, o romantismo envolve e faz sonhar com o grande dia, até porque alguns rituais acabam sendo importantes na vida de uma pessoa.

Mas, a crença disseminada de que só seremos completos e felizes quando encontrarmos um parceiro, alguém que transforme nossa vida em uma bela história de amor, essa sim pode ser bem prejudicial. Como sermos felizes quando colocamos no outro essa responsabilidade? O outro pode até em um primeiro momento acolher essa demanda de te fazer feliz, pode se sentir importante e inflar o ego, mas até quando ele dará sustentação a essa relação?

Claro que como casal temos responsabilidades assumidas com o parceiro, mas isso não quer dizer que daremos conta de levar adiante uma relação onde o outro se coloca como dependente, não se sustenta emocionalmente sozinho. É importante que cada um possa ter sua vida independente, contemplando atividades que envolvam estudos, amigos, trabalho, enriquecendo e alimentando a vida com outras pessoas e prazeres.

Cada pessoa chega em nossa vida com uma história, uma família, amigos, às vezes com filhos, ex-parceiro, trabalho, grupos que tem afinidade, e é preciso entender o quanto é importante permanecer e incluir isso tudo nos novos relacionamentos, mas o dependente acaba se isolando e solicitando amor e atenção integral somente do parceiro.

Ao cortar todos os estímulos de felicidade que estão disponíveis para enriquecer a rotina, o relacionamento começa a pesar, um dos parceiros começa a murchar, começa a sentir-se infeliz e com uma carga grande de responsabilidade sobre si mesmo. É só pensarmos em uma planta, ela precisa de água, adubo e luz, mas se a cobrirmos com muito carinho, com uma manta linda, colorida e colocando a melhor das intenções nessa ação, ainda assim a planta aos poucos irá perdendo vida.

Assim, também os relacionamentos perdem o colorido e a alegria, sendo essencial a interação com amigos,  família e atividades diversas que serão capazes de fortalecer o casal. Se você se identifica com essa situação, amplie seu mundo, aprenda a fazer atividades sozinho, sentir felicidade em diversas situações que não seja somente estar com o parceiro. É preciso se tornar autossuficiente em ser feliz, só assim irá conseguir ter um relacionamento leve e saudável, sem que não seja um peso, e sim uma luz para seu parceiro.