melança

Quando nascemos, a primeira coisa que fazemos é nos alimentar. O méaico já coloca o neném para mamar logo que acaba de verificar se está tudo bem. Saímos do ambiente seguro e tranquilo de dentro da barriga da mamãe e já passamos pelo estresse do ambiente, dos cheiros, luzes, vozes, às vezes muitas dores, sendo considerado um momento delicado e nada agradável. Mas logo vem a recompensa! O leite que jorra dentro da boquinha do neném na temperatura perfeita e logo paramos de chorar.

Desde cedo vamos aprendendo que o alimento é prazeroso e proporciona conforto, sendo reforçado no decorrer do nosso desenvolvimento em uma ou outra situação, o quanto o amor, o carinho, o aconchego e a alegria, podem sim serem representados com a comida em algumas situações.

Por isso, é importante esclarecer que não há nenhum problema em sentir prazer com a comida e às vezes buscar conforto ao comer um pedaço de bolo que nos remeta a momentos de alegrias com a vovó.

Porém, infelizmente com a crescente incidência de obesidade no mundo, esses momentos de prazer foram demonizados, e hoje nos sentimos culpados e ainda somos cobrados por não seguirmos regras ou mesmo estarmos um pouco acima dos padrões de peso aceitáveis em nossa sociedade.

Parece ironia, mas não é. Voltando ao início do texto aprendemos a ter prazer em comer em um momento de estresse, e depois nos sentimos péssimos por em algum momento recorrer a algum alimento na busca de sentir um pouco de conforto. Bem contraditório, não acham?

Na corrida contra a obesidade estamos perdendo o foco no que realmente é importante, e um aspecto dessa situação que devemos ficar alerta é que existe uma grande diferença em se permitir às vezes comer algo que se quer e outra situação é toda vez que se tem problemas comer para aliviar. Quando essa equação começar a ficar em desequilíbrio, aí sim o comer no lugar de se resolver o que não está bem dentro de si mesmo, pode se tornar realmente um problema.

Ao entender que sentir prazer comendo faz parte da nossa vida é um alívio, mas é importante aprender a falar do que está incomodando, a dor, a tristeza, permitindo expressar de maneira assertiva as emoções e sentimentos. Quando aprendemos a realizar esse caminho, aí sim podemos comer um pedaço do bolo da vovó e nos sentirmos felizes sem sermos devorados pela culpa.

Agora você pode entender que não faz nada de errado, mas se estiver se presenteando demais e o peso na balança ficando acima do desejado, talvez seja o momento de aprender a lidar com o que não está bem, dentro de você.

Salvar

Salvar