Análise

Quanto tempo, dinheiro e, até mesmo, vida você gasta para ter uma beleza que não é sua?

Por Gabriela Marçal

10/03/2017, 17h47

   

Uma reflexão e autocrítica sobre como a indústria de beleza escraviza as mulheres

Modelo Lily Donaldson nos bastidores do desfile da grife de lingerie Victoria's Secret Foto: Lionel Bonaventure/ AFP

Modelo Lily Donaldson nos bastidores do desfile da grife de lingerie Victoria’s Secret Foto: Lionel Bonaventure/ AFP

Não. Você não foi direcionado para um link errado, esse é um blog de beleza mesmo. Mas hoje deixo de lado as análises de produtos, tratamentos, técnicas e tendências para compartilhar uma reflexão e, claro, uma autocrítica, uma mea-culpa.

Sou apaixonada por maquiagens, cremes, esmaltes e tudo mais relacionado a isso. Eu não considero que os inúmeros itens que tenho são futilidade. Eles são o meu acervo. Você diria para algum colecionador de vinis que é exagero ter 10 discos de rock and roll? E teria coragem de abrir a boca para um amante de livros e falar: ‘mas esse monte de obra aí não é tudo do Saramago? Fica com um e dá o resto embora!’. Então, respeite meus 10 tons de batom vermelho.

Eu já cheguei a ir trabalhar com uma maquiagem e cabelo que demoravam cerca de 40 minutos para serem produzidos. A preparação para a festa não demorava nada menos do que três horas.

Tendência vai, tendência vem e a make nude foi ficando, o movimento para assumir os fios naturais ganhou força, o cabelo molhado (ou o wet hair, se você quiser mais glamour) é bem visto até em festas. O minimalismo da moda tomou conta da nossa beleza.

Sim, as coisas ficaram menos complexas, mas não quer dizer que se tornaram simples. Aquela make para parecer que você não está de maquiagem pode levar até 17 cosméticos e uns 20 minutos para ficar pronta.

Mas, realmente, a moda está dizendo para nos ‘montarmos’ menos. E tem mais: eu cansei! Cansei de dormir menos para me maquiar, cansei de me divertir menos em um sábado para ir fazer as unhas, cansei de ter menos dinheiro para viajar porque não é possível pintar o cabelo sem deixar algumas centenas de reais no salão de beleza, cansei de ter menos dinheiro para ir para ao bar porque a rotina de manicure imposta ‘guela’ abaixo não pesa menos do que R$ 150 no orçamento mensal.

Vale a pena abrir mão de tanto tempo e dinheiro (que no fim das contas é tempo também) para, em muitas situações, se tornar uma pessoa que você não é? Alguém com o cabelo, sobrancelha, olhos e pele que não são seus?

‘Nossa, você está tão linda que nem te reconheci!’ Isso é um elogio mesmo?

Nesse meu processo pessoal de não me obrigar a usar cosméticos, também cansei de ouvir comentários como ‘você está muito pálida’, ‘você está com cara de doente’, ‘você não está se cuidando’. Tudo bem, amigos. Eu ainda amo vocês. Eu e vocês fomos doutrinados a ver o bonito apenas como ele nos é vendido. Mas eu mudei e muita gente vem mudando também.

Outro sinal de que o futuro tem a cara limpa: o meu feminismo, o seu (eu espero, sinceramente!) e de todas as outras mulheres está ficando cada vez mais ativo. Será mesmo que eu preciso estar impecavelmente maquiada para passar credibilidade no trabalho? Eu preciso mesmo ‘realçar’ a minha beleza?

Depois de tantos questionamentos, aqui vão algumas afirmações.

Caros leitores, o blog vai continuar com a cobertura dos lançamentos de cosméticos e as tendências de beleza. Os meus produtos continuarão sendo meus itens de pesquisa. Seguirei vislumbrando as inúmeras tonalidades, experimentando as texturas e admirando o design das embalagens.

Amigos, eu ainda vou usar batom, vou colorir as unhas, me depilar. Mas só quando eu tiver vontade e não porque alguma publicação, empresa ou it-girl disse que deveria ser assim.

Cuidar de mim não é apenas me maquiar e usar cremes antienvelhecimento. Cada mulher tem que ter a liberdade para decidir qual é a sua beleza e o que é cuidar de si; seja lendo um livro ou cuidando dos filhos.

E se você acreditar que tem que usar maquiagem, fazer plástica ou qualquer outra coisa para ficar bonita, está tudo lindo também. Apenas não podemos continuar fazendo nada ‘porque as coisas são assim’ ou comprando algo só porque é o queridinho/tem que ter/ must have (argh!) da estação.

“Toda mulher vaidosa TEM que ir à manicure toda semana.”

Me obrigue!

“Para seu cabelo ficar lindo, você Deve cortá-lo a cada três meses.”

O cabelo é meu e eu não vou cortar!

“Você TEM que passar o creme hidratante para o corpo, olhos, lábios, cutículas, unhas, sobrancelhas… todos os dias se não vai ficar VELHA!”

F0#4-$3!!!!

Comentário(s)

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.