Aula de História do Brasil. O professor fala de quando os portugueses chegaram ao país. Depois entra na escravidão. Um aluno questiona por que falar dos negros como algo tão distante da nossa História. Como não falou sobre o racismo, indigna-se a criança.

 

Num grupo de mães do Facebook, uma delas questiona sobre o que acham da professora que mandou um bilhete avisando aos pais de que iria falar sobre sexualidade na aula, de sistema reprodutivo. Cedo ou não vai depender da idade da criança, da escola em que ela está e do curriculum escolar que segue. Mas a pergunta é: não seria coerente? Não é alienado um professor ensinar sistema reprodutivo e ignorar o “uso” dele pelos seres humanos?

 

Vou mais longe: como falar de sistema reprodutivo e não falar das diferentes opções sexuais, da homossexualidade? Ou de transgênero? Como não falar de meninos e meninas e das diferenças na sociedade? Dos movimentos feministas, porque eles estão aí tão fortes e tão intensos! Dá para dar aula de geografia sem falar sobre sustentabilidade e consciência ambiental? Ou fazer uma aula sobre colonização portuguesa, escravos e não falarde racismo? Como dar aula de química e não falar sobre drogas e álcool?

 

Agora eu pergunto: não seria essa uma forma de atualizar o ensino, que anda tão arcaico? Adianta mudar as formas de ensinar e não mudar, ou atualizar, o conteúdo? Pode ainda uma escola, ou um professor, ignorar assuntos que estão em pauta entre crianças, adolescentes e jovens e continuar dando uma boa aula? Não. Definitivamente não, pra nenhuma dessas perguntas. Básico.

 

Quando um professor ensina algo novo a seus alunos ele está passando conhecimento. E é desse lugar que os alunos terão ferramentas para questionar e analisar o que está ao redor deles. Mas hoje conhecimento não é mais apenas transmitido, e sim construído junto. Professores dão ferramentas para que alunos cheguem aonde querem chegar. Mas para isso é preciso incluir a atualidade, ou estarão sempre falando de algo distante, que já passou. Que está nos livros. E o que passou não faz parte desta geração. Ao menos não parece.

Atualizar o conteúdo das escolas é uma oportunidade pra inserir essa geração em algo que talvez eles achem que não faz parte deles. Ou o contrário. Atualizar o conteúdo das escolas é uma oportunidade de avançar o ensino nas escolas. É tirar dos livros e trazer para a realidade em que se vive. Uma forma inteligente e construtiva de avançar na educação brasileira. Uma forma respeitosa de ensinar crianças e jovens, partindo de um pressuposto de que eles precisam, e merecem, mais conteúdo. Mais profundidade. É trazer o aluno para o debate. Uma educação capaz de construir futuro. Por quem será o futuro.