Estadão

Fechar

Você está no seu último texto gratuito
deste mês.

No Estadão, tem sempre mais pra ler.
Continue se aprofundando nas notícias.

Assine o Estadão e tenha acesso livre »
É assinante? Entre aqui

Doação

Carolina Delboni

27/11/2017, 1:05

Doar – ação de doar, de oferecer alguma coisa a alguém. Um substantivo feminino. Do infinito latim donare – dono, transferir o dono. Para o economista espanhol Joan Antoni Melé, fundador e diretor do banco de investimentos Triodos, o dinheiro exerce 3 funções na nossa sociedade: o de comprar, poupar e doar. Numa lição de casa de matemática, dada por um professor de escola particular em SP, ele pergunta quais são os 3 “tipos” de dinheiro. Na resposta do aluno aparecem: compra, empréstimo e doação. “Doação é quando você compra um ingresso de teatro e não vai. Deixa o dinheiro para os atores”, exemplifica o aluno.

Joan Melé, em uma palestra recente no Brasil, fala do conceito de doar em paralelo a morte. Da associação feita do ato de doar como algo que morre para si e nasce para o outro. Um conceito que pode estar associado também a um dos sinônimos de doação que é a esmola. Ou podemos mudar o olhar. Como uma árvore frutífera que produz frutos para alimentar pássaros, animais e humanos. Ela não se auto alimenta do que produz, mas só é capaz de produzi-los se estiver alimentada e for saudável. Aqui o melhor sinônimo para doação seria o da dádiva. Como na natureza, só uma sociedade saudável é capaz de praticar o ato da doação como dádiva e não como esmola, que traz a pena dentro dela.

E a cultura de doação de um país é um indício da maturidade e evolução da consciência coletiva de uma sociedade. Podemos entender que, quanto mais elevada é a cultura de doação de um país, mais pessoas possuem o entendimento de que elas também são parte da transformação positiva da sociedade e, também, são responsáveis para que essa transformação aconteça. É o que chamamos de sociedade co-responsável. Eu não vivo, necessariamente, essa situação, mas ela me diz respeito e preciso ser um agente de transformação.

O Brasil é um país que apesar de ter fama de hospitaleiro, solidário e acolhedor, não é um país onde as pessoas se doam em prol das outras – seja financeiramente, seja fisicamente. Quem comprova são os resultados da pesquisa Doação Brasil, realizada em 2015, pelo IDIS, Instituto pelo Desenvolvimento do Investimento Social.

O Brasil posiciona-se na 60ª posição no quesito ajudar um estranho, 59ª posição para doação em dinheiro para uma ONG e 79ª posição no ranking de voluntariado. Segundo estudos, mais de 65% dos brasileiros gostariam de se engajar mais em causas sociais e serem mais participativos no cotidiano da transformação positiva que nossa sociedade anseia. Mas quando perguntados porque então não participam de fato nas respostas aparecem: falta de dinheiro extra para doar, falta de tempo livre para ser voluntário, e nenhuma ONG solicitou ajuda. Um desafio a ser sensibilizado.

Mas existem sempre os contrapontos. Como tudo na vida. Não fosse isso, a crescente de crowdfunding não estaria tão perto do nosso dia a dia. Escolas têm feito movimentos internos de arrecadação de fundos para ajudar famílias em dificuldades financeiras ou alavancar mais bolsas. Outras instituições incorporaram em suas formas de cobrança 3 diferentes valores, sendo um deles onde você para para você e mais alguém que não poderia pagar. Ajuda. Porque todo mundo um dia precisa. Grande ou pequena. Não importa o tamanho. Importa a generosidade com que se estende a mão ao outro. Isso sim faz diferença na vida.

Sensibilizar as pessoas a doarem é mais do que lutar por uma causa. É lutar por um país onde mais dádivas sejam partilhadas do que esmola.

Dai eu volto no começo desse texto, onde sinônimos se opõe numa mesma raiz da palavra. Volto também a palestra de Joan Melé que traz um olhar totalmente orgânico e vivo para a cultura financeira, principalmente a de investimento, do nosso dinheiro. Para isso, ele volta à infância, obviamente – e, naturalmente agora, chegamos a educação. Chegamos a infância. Símbolo de futuro, de esperança. De possibilidade de mudança.

Estamos próximos do final do ano. Temos a oportunidade, mais uma vez, de ajudar. De fazer parte da tal mudança que tanto queremos ver. Doar trabalho, doar energia, doar alimento, doar roupas, doar dinheiro. Doar. Se desfazer (ou fazer) de algo em prol do outro. Porque melhor presente do que comprar é o de poder dar. Dar ao outro a possibilidade de ser e estar.

Porque só doa quem encontra na vida um sentido maior do que o “ganhar a vida”. Para quando chegar a morte, o sentido de existir tenha sido preenchido de valores humanos. Assim como a árvore que produz frutos. Porque é quando as frutas caem do pé, ou seja, quando morrem, que estão prontas para servirem de alimento a outro. O que, aparentemente, morre a um, nasce a outro. Imbuído de sentido. Imbuído de valores. Dar ao outro o que você tem de mais valioso: o sentido de vida.

Você atingiu o número máximo de textos gratuitos este mês

Não pare por ai.
No Estadão, tem sempre mais pra ler.

Continue se aprofundando na informação. Assine por apenas R$ 1,90 no 1º mês e tenha acesso ilimitado ao Estadão.

Conheça suas opções
de assinatura

No próximo mês, você poderá ler gratuitamente mais 10 textos.

Já é assinante?

Entre aqui

Em caso de dúvidas, fale com a nossa Central de Atendimento: 4003-5323 (capitais e regiões metropolitanas) 0800 014 7720 (demais localidades). De segunda a sexta-feira das 6h30 às 20h, e aos sábados, domingos e feriados das 6h30 às 14h. A Central de Atendimento não recebe ligações de celulares.

Ir para a versão web