Para os adolescentes, a depressão pode afetar mais do que suas relações e realização educacional – pode prejudicar suas perspectivas futuras com implicações até na economia. Mas um novo estudo sugere que muitos desses jovens poderiam colher benefícios a longo prazo do aconselhamento psicológico.

“A depressão pode prejudicar gravemente a vida das pessoas e, em muitos casos, começa durante a adolescência”, disse Ian Goodyer, professor do departamento de psiquiatria da Universidade de Cambridge, na Inglaterra. “Se pudermos enfrentá-lo no início, as evidências sugerem que podemos reduzir as chances de depressão grave retornando.”

De acordo com o material fornecido em um comunicado de imprensa da universidade, os tratamentos psicológicos são eficazes no curto prazo em cerca de 70 por cento dos adolescentes com depressão. Mas não está claro como esses pacientes vão a longo prazo.

O estudo incluiu 465 adolescentes na Inglaterra que tinham sido diagnosticados com depressão.

Os participantes foram aleatoriamente designados para um dos três tratamentos: terapia cognitivo-comportamental (com foco na mudança de como as pessoas pensam); terapia psicanalítica de curto prazo (focando temas como sonhos, memórias e o inconsciente) ou uma breve intervenção psicossocial (focada em estratégias como incentivar atividades prazerosas e combater a solidão).

Os pesquisadores descobriram que 70 por cento dos adolescentes melhoraram de forma significativa, não importa qual abordagem eles tentaram. Naqueles que beneficiaram do tratamento, seus sintomas da depressão tinham declinado por 50 por cento sobre o ano seguinte.

“Isso é muito promissor e mostra que pelo menos dois terços dos adolescentes podem se beneficiar desses tratamentos psicológicos, que em teoria reduzem o risco de recorrência”, disse o coautor do estudo, Peter Fonagy, no comunicado à imprensa.

“Claro, isso significa que ainda há uma proporção substancial de adolescentes que não se beneficiam e precisamos entender por que isso deve ser o caso e encontrar tratamentos adequados para ajudá-los também”, acrescentou Fonagy.

Portanto, os pais devem estar atentos às mudanças de humor e comportamento em adolescentes desde o início dos sintomas. Alguns se isolam, começam a faltar nas aulas e pioram o desempenho escolar, outros podem abusar de álcool e outras drogas e terem comportamentos mais agressivos e impulsivos. Alterações do padrão do sono e apetite podem estar presentes também. No ápice, há risco de suicídio o que não é incomum com o agravamento da doença. Isso é fundamental porque a depressão diagnosticada precocemente pode ser tratada ou amenizada com apenas psicoterapia sem necessariamente precisar de uma intervenção farmacológica inicial. E os tratamentos medicamentosos seriam reservados apenas à minoria dos nossos jovens.

Fonte: The Lancet Psychiatry.