Crianças cujas mães relataram sintomas graves de depressão pós-parto que duraram pelo menos oito meses após o parto podem ser mais propensas a enfrentar problemas comportamentais e depressão em comparação com crianças cuja depressão pós-parto das mães não era persistente ou grave, sugere um estudo publicado no JAMA Psychiatry.

“Os profissionais de saúde devem identificar essas mulheres para encaminhamento adicional porque um tratamento precoce e eficaz pode reduzir a exposição contínua da criança”, escreveu Elena Netsi da Universidade de Oxford.

Para determinar se diferentes níveis de persistência e gravidade da depressão pós-parto estão associados à depressão materna e aos resultados infantis subsequentes, os autores analisaram os dados contidos no Avon Longitudinal Study of Parents and Children (ALSPAC). ALSPAC é um estudo contínuo populacional que examinou a saúde geral de crianças nascidas no sudoeste da Inglaterra entre abril de 1991 e dezembro de 1992.

A depressão materna foi medida usando a Escala de Depressão Pós-Natal de Edimburgo (EPDS) aos dois e oito meses. Os autores separaram o grupo em três níveis de gravidade da depressão, com base no escore EPDS: moderado (13 a 14 pontos), marcante (15 a 16) e grave (17 ou mais pontos). A depressão pós-natal foi considerada persistente quando um indivíduo obteve uma nota acima do limite EPDS na avaliação pós-natal de dois e oito meses.

Os autores compararam os seguintes resultados nas crianças nascidas de mulheres com diferentes graus de depressão pós-parto: problemas comportamentais infantis aos 3,5 anos (com base no relatório materno), pontuação de matemática aos 16 anos (extraída de registros de exames públicos) e depressão infantil em 18 (com base em auto-relato). Estes três desfechos foram mostrados como associados à depressão pós-natal nesta amostra. Os filhos de mulheres com depressão persistente e grave apresentaram um risco crescente de quatro vezes com problemas comportamentais aos 3,5 anos, um risco aumentado duplo de terem menores pontuações de matemática aos 16 anos e um aumento de sete vezes maior de depressão aos 18 anos.

Eles também compararam as trajetórias de resultados EPDS mais recentes em mulheres com diferentes graus de depressão pós-parto. Eles descobriram que, independentemente do nível de gravidade, as mulheres com depressão pós-parto persistente apresentaram sintomas depressivos elevados até 11 anos após o parto em comparação com as mulheres que não atingiram o limiar de depressão pós-parto moderada.

Esses resultados são importantes porque sugerem uma mudança das atuais recomendações da Força-Tarefa Preventiva dos EUA de triagem universal de depressão em todas as mulheres grávidas a fim de se tentar uma prevenção da depressão pós-parto que pode ser determinante ao futuro da criança e adolescente.

Tais dados podem direcionar políticas públicas de saúde que atuem na intervenção precoce tanto da depressão na gravidez quanto no pós-parto além de um cuidado maior com o desenvolvimento dessas crianças. E a sociedade precisa ter ciência de que a depressão grave ou persistente não tratada no período perinatal pode ter sequelas comportamentais ou psiquiátricas importantes para os filhos – inclusive no final da adolescência.