Estadão

Fechar

Você está no seu último texto gratuito
deste mês.

No Estadão, tem sempre mais pra ler.
Continue se aprofundando nas notícias.

Assine o Estadão e tenha acesso livre »
É assinante? Entre aqui

Antidepressivo protege contra Alzheimer?

Joel Rennó

06/12/2017, 12:15

O tratamento a longo prazo com inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS), o tipo mais comum de antidepressivo utilizado no tratamento da depressão,  pode beneficiar pacientes idosos com deficiência cognitiva leve (DCL) e história de depressão, mesmo após a resolução dos sintomas depressivos, sugeriu um estudo publicado recentemente.

Em pacientes com DCL e história de depressão, o tratamento de longo prazo com ISRS (por mais de quatro anos) foi associado a uma progressão tardia da demência de Alzheimer em cerca de três anos, em comparação com aqueles que usaram ISRS apenas de curto prazo ou que não tinham tratamento.

Atrasar a progressão da DCL para a demência de Alzheimer não só reduziria a prevalência da doença de Alzheimer, como também reduziria os custos do seguro de saúde, escreveu Claudia Bartels, Ph.D., da Universidade do Centro Médico de Gottingen, na Alemanha.

Bartels e colegas analisaram dados de 755 adultos não deprimidos com idade entre 55 e 90 que foram retirados da Iniciativa multicêntrica de neuroimagem da doença de Alzheimer (NIDA). Os participantes foram categorizados na linha de base como sujeitos de controle cognitivamente normais, pacientes com DCL e pacientes com demência de Alzheimer e foram reavaliados de forma abrangente a cada seis meses ou anualmente para a progressão de cognitivamente normal para DCL ou demência de Alzheimer, ou de dcl para a demência de Alzheimer.

Dos 755 participantes na análise, 532 foram alocados na linha de base para o grupo “sem história de depressão – sem antidepressivos” e 223 para o grupo “história da depressão”. Do último grupo, 60 não foram tratados (depressão prévia – sem antidepressivos), 116 receberam ISRS (depressão prévia – ISRS) e 47 receberam antidepressivos diferentes dos ISRS (depressão prévia – outros antidepressivos).

A análise estatística revelou “uma diminuição significativa da probabilidade de conversão para a demência de Alzheimer em pacientes com DCL com história de depressão e tratamento ISRS de longo prazo [> 1.610 dias] em comparação com todos os outros grupos”, informaram os autores. “O risco de conversão foi aumentado em pacientes com DCL e história de depressão e outros tratamentos antidepressivos em comparação com o grupo sem depressão prévia – sem antidepressivos”.

Os autores concluíram: “Na pendência da validação em um teste de intervenção, os dados produzidos neste estudo podem ter implicações importantes para a prática clínica. … Um estudo prospectivo para confirmar os efeitos de ISRS na progressão do DCL agora é garantido, uma vez que um atraso mediado por ISRS pode contribuir para uma prevalência globalmente mais baixa de demência de Alzheimer, com um grande impacto nos indivíduos afetados, cuidadores, saúde pública e custos de saúde “.

Fonte: American Psychiatric Association

Você atingiu o número máximo de textos gratuitos este mês

Não pare por ai.
No Estadão, tem sempre mais pra ler.

Continue se aprofundando na informação. Assine por apenas R$ 1,90 no 1º mês e tenha acesso ilimitado ao Estadão.

Conheça suas opções
de assinatura

No próximo mês, você poderá ler gratuitamente mais 10 textos.

Já é assinante?

Entre aqui

Em caso de dúvidas, fale com a nossa Central de Atendimento: 4003-5323 (capitais e regiões metropolitanas) 0800 014 7720 (demais localidades). De segunda a sexta-feira das 6h30 às 20h, e aos sábados, domingos e feriados das 6h30 às 14h. A Central de Atendimento não recebe ligações de celulares.

Ir para a versão web