Todos nós nascemos vegetarianos mas somos forçados a comer carne pelos nossos pais. Os médicos ajudam nessa história de medo, dizendo que precisamos de proteína animal. Não, não precisamos. A prova é que há mamíferos herbívoros de grande porte (girafas, hipopótamos, elefantes) que vivem muito bem sem carne. Os grandes dinossauros eram herbívoros.

Por muito tempo fui carnívoro, mas depois que me inteirei sobre os sofrimentos inomináveis praticados pela indústria da carne em seus abatedouros, não me desce mais carne alguma goela abaixo. Ademais, quem come carne dessa indústria, está comendo toda uma gama de remédios usados na criação.

Dado singular: boa parte da produção mundial de grãos é para alimentar os animais que depois serão devorados pelos humanos. O resultado disso é a constante procura de novas terras para plantio e pasto. A Amazônia sofre por causa disso. As motosserras trabalham por lá sem cessar. Equilíbrios ecológicos são desfeitos.

Animais fogem da destruição de seus habitats para as cidades, onde não conseguem abrigo e competem por um espaço que não lhes cabe, sem poderem olhar para trás, pois o seu espaço foi roubado.

Diante disso, a operação “Carne Fraca” da Polícia Federal, que desmascara a adulteração de carne em grande frigoríficos nacionais, é, penso, ao mesmo tempo um convite indireto ao vegetarianismo orgânico. Florestas e animais agradecerão aos convertidos, que, bravos, resolveram dar a sua contribuição para um mundo menos feio.