Foto: Eliana Rodrigues/GNT

O paraense Thiago Castanho deixou a timidez de lado para assumir o posto de apresentador do Cozinheiros em Ação, reality de gastronomia que estreia sua quinta temporada hoje, 10, às 20h30, no GNT. Ele foi contratado pelo canal após o casal Jefferson e Janaína Rueda desistirem do projeto, 24 horas antes do início das gravações da atual temporada. Após flertar com a TV por diversas vezes, Castanho não teve muito tempo para pensar na proposta. Disse sim e embarcou no dia seguinte para São Paulo, para iniciar o trabalho. “Desliguei o telefone, conversei com o pessoal aqui e com os meus familiares. Desmarquei tudo o que estava marcado e fui”, lembra.

Antes de assumir a vaga, Thiago já tinha aparecido em outros programas do gênero, como o The Taste Brasil, também do GNT, e no MasterChef Brasil, mas na função de chef convidado. Ele, inclusive, foi convidado pela Band para participar da primeira temporada do programa como jurado fixo, mas declinou a proposta. “Recusei porque senti que não estava preparado”, explica.

Ao lado dos jurados Rusty Marcellini, Dona Carmem Virginia e Ligia Karazawa, ele buscará o melhor cozinheiro de comida caseira do País. Confira a seguir a entrevista com Thiago:

Como você chegou ao programa?
Foi bem rápido, não tive tempo para pensar. Eu estava em período de reformas no restaurante, ficamos quase um ano, transformamos metade dele em um bar. Estava para abrir o bar no dia 1 de abril, e a proposta surgiu dois dias antes da inauguração. Eu tive que pensar, porque precisaria viajar já no dia seguinte. Desliguei o telefone, conversei com o pessoal aqui e com os meus familiares. Desmarquei tudo o que estava marcado e fui.

Você já tem passagem por outros reality shows de gastronomia. Dessas experiências, o que tem usado a seu favor como apresentador?
Eu fui chamado para outros programas de TV em outros momentos. Todo ano surgia um convite, mas eu achava que não estava preparado, eu sentia que não era o momento. Neste ano eu não pensei muito, e achei que poderia e conseguiria. Justamente por ter participado de outros programas e ter me sentido à vontade na frente das câmeras, mesmo não tendo prática. Essas outras práticas, apesar de eu não ver TV, me ajudou bastante.

Thiago Castanho com os jurados Rusty Marcellini, Dona Carmem Virginia e Ligia Karazawa | Foto: Eliana Rodrigues/GNT

Você não assiste TV?
Eu vejo Netflix e alguns programas de gastronomia quando tenho tempo, mas TV normal eu não vejo.

Dentro destes programas que você assiste, estes reality shows de gastronomia não estão no teu catálogo?
Não estão (risos). Eu vejo os reality shows não como uma forma de aprendizado. O que faz você prender sua atenção num reality é o entretenimento. Além da cozinha, tem muito da pressão, das brigas. Esse formato é bom para prender a atenção do público.

Quais foram esses convites que você recusou?
Recusei porque senti que não estava preparado. Fiquei um bom tempo só focado na cozinha. Inclusive, eu esqueci de outras áreas do restaurante, porque eu estava muito focado na cozinha. Percebi que havia algo errado e comecei a sair um pouco da cozinha e ir para o salão, ter mais contato com os clientes. Depois vieram os programas de TV e isso foi me ajudando a ficar cada vez mais à vontade e me fez sentir confortável para esse trabalho.

Você é uma pessoa tímida?
Não sei se eu sou, mas em determinado momento da minha vida eu estava. Meu foco era na cozinha mesmo, ficava até escondido.

Mas quais foram os convites que você recusou?
A Fox Life havia me convidado para o Homens Gourmet. E fui convidado para o MasterChef, e eu não aceitei. Foi para a primeira temporada, e me chamaram para gravar um piloto, mas recusei.

Ligia Karazawa, Thiago Castanho, Dona Carmem Virginia e Rusty Marcellini | Foto: Eliana Rodrigues/GNT

E por que topou desta vez? Foi algo dentro do formato que lhe chamou atenção?
Uma das primeiras coisas que achei legal foi sobre a questão da família, eles levam duplas de famílias para competir. Foi uma das coisas que mais me instigou a ir, porque eu comecei a trabalhar na cozinha por causa da minha família. Não é um mar de rosas, há muitas dificuldades. E também por serem cozinheiros caseiros, não serem profissionais. Isso torna a discussão mais interessante ao meu ver. Pessoas que não têm tantas referências podem até nos surpreender mais.

Você se surpreendeu com alguma técnica durante as gravações?
Uma das participantes usou a banana em sua forma integral. Ela usou a casca de um jeito que ficou parecendo uma cebola. Eu já tinha visto o uso da casca da banana, mas não do jeito que ela fez. Inclusive eu anotei no meu bloco de notas. Tem muita troca. Como eu estava entre jurados que são cozinheiros, a gente trocou bastante.

Qual tom você adotou para apresentar o programa?
Como foi o meu primeiro programa e eu não fui direcionado a nada, fui aprendendo quem eu poderia ser. Não modelei e não copiei ninguém, porque eu não assisto a estes programas. Eu acho que a equipe me deixou à vontade para eu decidir isso. Fui mais perto de quem eu sou mesmo. Sou emotivo, e foi difícil desligar algumas pessoas por causa disso. Fui mais para o lado de um ‘brother’ que está do lado dos seus companheiros, mas que precisou desligar um a um porque fazia parte do jogo. A parte mais dura eu deixei para os jurados.