– O homem que ela mais admira é Michel Foucault. E olha para você como quem pergunta: já ouviu falar?

(Fu quem?)

– Só lê livros de filosofia, ensaios. E quer saber se você conhece Krishnamurti.

(Deixa ver. Ah, foi aquele que… que…)

– E Ortega y Gasset?

(Não, nenhum dos dois.)

– Os homens gostam de esconder a ignorância. Tudo que eles não conhecem eles dizem que não é importante. Ou usam a ironia. Ou então ficam calados.

()

– Um homem só ilude uma mulher quando ela quer ser iludida.

(Sabe que nunca pensei nisso?)

– Não pensar é um hábito entre os homens. O mundo foi construído dentro da lógica do macho. Até a gramática é machista.

(Como assim?)

Um masculino e um feminino fazem um masculino plural.

(Isso não mudou ainda? Nossa! E o professor Pasquale não faz nada?)

(Nove entre dez homens são grosseiros. E o décimo ainda não nasceu.)

(Puxa! Diga uma coisa: quem fez essa estatística foi uma mulher, não foi? Você não acha que está exagerando? Você tem provas disso?)

– Uma mulher nunca foi vista palitando os dentes num restaurante.

(É, você está certa, eu nunca vi. Também não vi mulher cuspindo na calçada. Mas tem uma coisa: eu sou meio distraído.)

– A coisa mais bizarra, mais ridícula, mais estúpida é ouvir um homem chamando a mulher de patroa.

(Gozado, eu achava que esse era o tratamento certo. Nada como falar com uma pessoa esclarecida.)

– Por que os homens mantêm esse espírito feudal?

(Fê o quê?)

– Um homem conhece uma mulher às seis e às seis e dez já quer ir com ela até o apartamento.

(Eu moro numa casa. É pequena, mas ajeitadinha. Para uma casa sem mulher, até que não faz feio. É aqui pertinho, quer conhecer? Tem três peixinhos vermelhos num aquário.)

– A coisa mais importante numa casa é a biblioteca.

(Se você quer dizer livros, olhe, eu tenho uma batelada. Se bobear, tenho ainda até os que usei no colégio. Tenho também um compasso maneiro, sabe?, aquele que gira assim. E uma tábua de logaritmos. Eu fui um bom estudante. Sabia os nomes de todas as capitais da América do Sul. Então, vamos lá? Você vai se apaixonar pelo Tim, pelo Tom e pelo Toninho. Ah, é o nome dos peixinhos. Pensei que eu já tivesse dito.)