pixabay

Foi num sábado, na feira. Não vou dizer que estava de bom humor porque, apesar das provas em contrário, parece que Deus ainda castiga os mentirosos. Mas, ao chegar à barraca de dona Rosa, onde compro meus queijinhos, não devia estar de má cara, porque me perguntaram:

“Feliz hoje, hem?”

Notei, então, que estava assobiando.

“Está certo que o nosso queijo é bom, mas também não é para tanto, ó, seu Raul!”

Já com o queijo na sacola, fiz o que costumo fazer na feira: andar. Mais andar do que comprar. E, andando, cheguei à barraca de pastéis. Ia passando por ela furtivamente, porque meu colesterol tem mania de grandeza, quando senti que havia algo diferente por ali. Parei e, meio minuto depois, já sabia o que era. Era uma novata na barraca, atrapalhada no meio das outras moças, trombando com elas, confundindo os pedidos, enganando-se no troco.

Fui para a parte da feira onde ficam as frutas. Zanzei um pouco por lá e, na volta, vi de longe a novata olhar de um lado para outro e, sorrateiramente, mordiscar um pastel, observada por outra das atendentes, que sorria, balançando a cabeça.

Aproximando-me, percebi o sorriso da moça transformar-se de repente em preocupação e notei o cutucão que ela deu na novata. Não ouvi o que ela sussurrou, mas foi fácil adivinhar. Vindo do bar da esquina, onde devia ter ido trocar dinheiro ou tomar um refrigerante, o dono da barraca estava  de volta.

Pensei: hoje é o primeiro e o último dia da novata. Ela, que já tinha visto também o patrão chegando, dava a impressão de estar pensando a mesma coisa. Engoliu rapidamente o resto do pastel.

Cinco segundos antes do indignado dono da barraca, chegou um casal, e o homem, com jeito de guloso, pediu à novata:

“Menina, dois especiais para nós.”

Comentou com a mulher:

“Hoje vamos experimentar os pastéis daqui. Se até o pessoal da barraca come, é porque eles devem ser bons.”

O dono desanuviou o rosto e garantiu:

“São bons, sim. Vocês podem ter certeza.”

Peguei meu rumo e, ao sair da feira, deixei meu assobio soar mais forte e alegre. Por que não? Pelo menos naquele sábado, a novata parecia estar salva.