pixabay

+ Um haicai não é produto nem da meditação nem da imaginação. Um haicai é um desses frutos que a natureza oferece ao poeta. Vem pronto para ser colhido e, para que não se duvide da sua origem, traz sempre uma gota de orvalho ou um halo de sol.

+ O haicai não diz, o haicai sugere. O haicai não narra momentos, o haicai é o momento. O haicai não é um pássaro, é a sua sombra. Quando o percebes, o haicai já vai longe.

+ É inútil buscar um haicai. Da procura resultará sempre uma imitação. O haicai surge quando não se espera, por uma súbita permissão dada à beleza pelo silêncio.

+ Que Deus me dê a bênção de colher ainda um haicai. Um haicai é a colheita ideal para minhas mãos cansadas. Posso retê-lo como se retivesse uma borboleta, por um momento apenas, antes de deixá-lo escapar novamente para a brisa que o levará até o banco de jardim onde uma menina de cinco anos dirá dele o que se deve dizer sempre de um haicai: que coisa mais linda.

+ O haicai, como é costumeiramente definido, é um flash, um momento, único e irrepetível. É uma beleza fugidia, um raio que fulgura pelo instante exato em que os olhos devem apreendê-lo, antes que retorne à escuridão. Não há tempo para reflexões, só para o registro, mais dos sentidos que da mente. A poesia, e em especial o haicai, é aparentada com a música – e sua mensagem mais expressiva é aquela que se transmite menos na sucessão de notas que nas pausas.

+ Um haicai é uma perfeição instantânea, um milagre da concisão.

+ O haicai é um vaga-lume. O poeta não o faz, pode apenas retê-lo na retina por um instante – instante que nenhuma palavra conseguirá reproduzir.

+ Um equívoco muito comum é considerar o haicai uma conquista da técnica.

+ O haicai transplantado para o Brasil trouxe o inconveniente de fazer parecer que cinco ou seis palavras distribuídas graciosamente por três linhas são sempre o suprassumo da poesia. Um haicai é o pássaro, não sua plumagem.

+ Para os poetas dados a transbordamentos retóricos, a disciplina do haicai é um exercício de inestimável valor.

+ Como um haicai – assim deveria ser o amor. Algumas palavras, não mais. Amores de quinhentas páginas só servem para mostrar, quando se folheiam álbuns de família, como meninas e garotos que pareciam pássaros podem transformar-se em balofas figuras diante de repetidos bolos de aniversário.