pixabay

 

O que tenho hoje são estes dois poemas. Vocês aceitam?

 

O MENSAGEIRO

O amor-próprio é aquela parte de nós

aquele nosso último território

ao qual não voltaram ainda

nossos informantes com o relatório

 

Devemos estar perdendo

como estivemos sempre

mas essa parte de nós

esse território último

entre os derradeiros

julga ouvir gritos de júbilo

vindo de onde devem estar vindo

nossos retardatários mensageiros.

 

OS SOBREVIVENTES

Terminada a batalha

nenhum lado sabe ainda

quem venceu

quem perdeu

 

Já não importa

vitória ou derrota

 

É a hora na qual

os que ainda podem

se apalpam

(estará ainda aqui

meu braço esquerdo

minha perna direita

ainda estará?)

 

Cada um vai

peça a peça

montando o quebra-cabeça

 

Os que estão inteiros

ou assim pensam sorriem

(a boca parece estar

onde uma boca deve estar)

 

Os irremediavelmente feridos

gemem os últimos gemidos

e com os olhos quase mortos

invejosamente olham

a horizontal serenidade

dos inevitavelmente mortos.